Prudens quid pluma niger secundum

Arquivo por Autor

Próximo do céu escarlate: 23/09/19 Kyirong a Kathmandu

O café começou por volta de 08:00. A priori vamos sair às 09:00, pois a fronteira abre as 10:00. Em teoria vamos passar sem problema. As motos talvez seja um pouco mais embaçado.

O dia amanheceu bem fechado e tudo indica que teremos chuva nos 30km até a fronteira. Achei que ficaria molhado. No final era apenas uma neblina e exceto pela canela que ficou úmida, nada de mais.

A estrada entre Kyirong e a fronteira é realmente muito bonita. Uma pena estarmos focados em chegar logo na fronteira para resolver a papelada, então não pude parar para tirar umas fotos. De qualquer maneira, a paisagem de descida de serra, contornando a montanha e sua floresta, com algumas cachoeiras alimentando o rio abaixo, foi uma despedida única.

Na fronteira, como de praxe, consome um bom tempo e ficamos em torno de 1,5h para fazer todo o processo no lado chinês. Do lado nepalês, macio como mel, enquanto fazíamos um lanche e aguardávamos o carro de apoio para pegar a bagagem.

Então saímos para pegar a versão do inferno aqui na terra. Se no Tibet, poucos trechos tinham asfalto ruim, no Nepal nem pavimento tem direito. Foram 75km da mais pura imersão em enduro. A questão é que a Royal Enfield Classic 500 não é a melhor escolha para off road. Exceto se você quer passar pela experiência dos motociclistas na segunda guerra mundial.

Pouco depois de avançarmos, assim como na vinda em que bati o fundo da moto e quebrei o pedal do freio traseiro, consegui fazer a mesma coisa novamente. Só que dessa vez a alavanca ficou atrapalhando a condução.

Parei para arrancar aquele trem fora, no melhor estilo ordinary mechanical class. Já o maldito fuso que faz o link com o freio da roda não saia de jeito nenhum. Até o momento em que apelei, empenei o maldito na mão, amarrei na balança da suspensão com a cordinha que veio na chave da moto e assim fomos.

A melhor parte de fazer enduro, com moto baixa e muita lama, é não ter freio traseiro. Como estava esperando, em um dado momento em que usei o freio dianteiro, a roda travou e lógico, lá fui eu comprar um terreno. De boa, só o susto.

A paisagem compensava o desafio da estrada

Na sequência, num trecho em que só passava um veículo por vez, duas coisas boas aconteceram: a) a turma do Nepal não sabe fazer o básico pare e siga para evitar travar tudo e b) o exército resolveu do nada fazer um exercício e tinha só 30 caminhões do exército na estrada.

Ficamos agarrados por pelo menos 30 minutos até resolvermos tomar conta do trânsito e fazer um pare e siga. Foi a única maneira de conseguirmos liberar e poder avançar.

Tudo agarrado até a gente ajudar organizando uma pare e siga

Um pouco mais à frente, era o ponto onde houve o deslizamento. Bom, onde a estrada desapareceu. Estavam consertando e estava bem avançado com as máquinas trabalhando e colocando enrocamento. Num dado momento em que as máquinas liberaram para gente passar, avançamos, só para descobrir que não estava liberado e lá estou eu no meio da lama, sem conseguir mover e a escavadeira dando ré para cima de mim.

Bom, com a ajuda dos peões da obra consegui tirar moto do caminho e daí a pouco continuamos na estradinha sem pavimento.

Hora era lama, hora era enxurrada, hora eram pedras, hora era só trânsito que não se sabe de onde vem. Quando finalmente acabou o trecho em que não tinha pavimento, descemos a serra em infinitas curvas. Já estava cansado, meio puto por ter comprado terreno antes, molhado de chuva (sim no trecho sem pavimento resolveu chover do nada). Quando estou lá de boa fazendo uma curva fechada, me aparece um maldito caminhão do nada, sem buzinar. Foi o tempo de empurrar a moto para um lado e rolar para o outro. O caminhão parou antes de acertar a moto no chão e eu rolei para dentro da vala da drenagem. Sorte que estava sem água nesse trecho.

Depois de conseguir traduzir para o motorista que estava bem, continuei descendo a serra. Um pouco mais emputecido. E nem sinal da turma, já que tinha ficado para trás.

Já lá embaixo, quando estava começando a duvidar se estava no caminho certo, apareceu um colega da equipe da Parikrama Treks de moto, estavam a minha procura. Ele me levou para abastecer a moto. Dos sete companheiros, dois estavam com ele. Os outros quatro já tinha sumido na nossa frente em direção ao hotel.

Após explicar sobre minha decisão imobiliária no Nepal e indicar o freio traseiro quebrado, insistiram para eu pegar a Royal Enfield Himalayan para terminar a viagem, já que o trânsito nos arredores de Kathmandu seria terrível.

Sendo bem sincero, porque não peguei esse modelo antes? Outra moto, conjunto bem mais equilibrado, acelerador curto, torque, suspensão. Tornou o último trecho até Kathmandu bem mais palatável.

Isso porque é incrível a quantidade ônibus, caminhões, carros e motos que surgem do nada nos arredores da cidade e tornam algo com 25 ou 30 km a maior missão impossível possível. Não satisfeito com o excesso de trânsito, o asfalto danificado levanta uma poeira infinita e num dado momento você se imagina atravessando uma cortina de fumaça daquelas bombas que ninjas jogam no chão para desaparecer em seguida.

Sério, eu já havia comentado sobre isso na viagem de 2017 e hoje só confirmou, você reclama do trânsito de São Paulo porque não sabe de nada, inocente.

As 21:30 alcançamos o hotel, parte da turma já estava lá, comemorando com Gorkhas, fui obrigado a comemorar também.

Realmente eu merecia uma Gorkha estupidamente gelada
Que viagem sensacional, com pessoas maravilhosas, sempre dispostas a ajudar no que foi preciso.

Alguns fusos horários depois, dois países, não sei quantos vilarejos, perdi a conta dos kms, noites mal dormidas, frio de verdade, muita emoção e gargalhadas.

Monte Everest, Tibet, território anexado.

RFEIM / CdGP / DACS

Veja a peripécia de ontem aqui.


Próximo do céu escarlate: 22/09/19 Tingri a Kyirong

Como chegamos muito tarde no hotel ontem, depois da aventura para ver o Everest, tivemos a grata oportunidade de acordar mais tarde, já que o café seria as 09:00.

Naturalmente que acordei por volta de 07:00, apesar do despertador estar configurado para 08:00. Na verdade nem dormi direito porque a cama era muito desconfortável nesse hotel, ossos do ofício.

Enquanto esperava a hora do café, como o hotel tem um espécie de alpendre, deu para ver um pouco da cidade de Tingri, bem de interior e bem simplória. Provável que seja usada somente como base de apoio para descanso nas visitas ao Everest.

O dia estava claro, apesar do frio matutino e portanto teremos uma viagem agradável hoje. Logo que saímos do hotel, passamos no posto da cidade para abastecer. Em volta, a paisagem de montanhas, com alguns cumes nevados em volta, dá um charme a pequena cidade de Tingri.

O dia foi praticamente todo estrada livre com poucos pontos de encontro e muitos km entre eles. A partir de Tingri rodamos uns 70km até chegar na bifurcação da estrada que o guia indicou para pegar à direita. De qualquer maneira aguardamos para confirmar.

Uma inesperada paisagem de areia

Depois seguiríamos até o mirante do grande lago da região. A paisagem seca de altiplanos era cercada por cordilheiras e alguns cumes nevados ao fundo. Muito bacana. Interessante que na região do lago tinha inclusive areia e até um ensaio de duna, algo completamente inesperado.

Outra coisa que chamou a atenção eram os pilares em ambos os lados da estrada, a última vez que vi isso foi na região da Snowy Mountains na Austrália e serviam para indicar onde estava a estrada debaixo de neve. Ou seja, no inverno deve nevar bastante aqui.

A partir do lago pegamos mais uma passagem com sua subida e descida de serra. Nesta, no início do trecho de descida, a estrada estava bem danificada pela ação da neve e tornou alguns pontos bem perigosos, inclusive com a turma da manutenção de estrada atuando bum trecho.

Lá embaixo havia um canteiro de obras e quando chegamos mais perto, descobrimos que estão fazendo um túnel duplo para atravessar a montanha. Aliás, o que mais vi ao longo da viagem é canteiro de obra, tem sempre alguma infraestrutura nova sendo construída.

Eu e o amigo peruano fazendo a dança da altitude

Após a passagem, paramos para um checkpoint policial. A partir desse ponto seguimos numa bela e sinuosa estrada que acompanhava o rio abrindo caminho entre as montanhas. E a casa curva, parecia que as montanhas queriam engolir a estrada. Muito bonito esse trecho.

Nesse trecho os morros em volta pareciam querer nos engolir

Mais um checkpoint policial onde havia um inusitado monastério no topo de um morro e para chegar lá, bem, se o caboclo estava devendo alguma coisa na vida, pagava tudo subindo até o monastério, nem precisava pedir perdão ao monge.

Paga os pecados, as dívidas, o sedentarismo, a falta de ânimo e até os seus bisnetos já estão abençoados

A partir daqui a paisagem mudou completamente e as montanhas de cascalho deram lugar a montanhas com vegetação rasteira e mais um pouco árvores e cachoeiras. Sério, parecia que tivesse atravessado um vórtice espaço temporal.

E seguimos numa descida infinita cortando as montanhas e suas florestas, desviando de Yaks no caminho até chegar à sisuda super cidade do interior, Kyirong, por volta de 15:30. Como não havia energia, só voltaria a partir de 17:00, fomos para o restaurante, acreditando que lá tem gerador, já que no hotel nada.

Desceu macio como mel

Amanhã vamos para a boca da fronteira, se nada der errado, atravessamos ainda pela manhã e daí pegar a estrada de volta a Katmandu.

A alegria de quem esteve no topo do mundo!

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 21/09/19 Shigatse a Tingri

Tentamos novamente sair às 07:30, nem sei porque ainda acredito nisso, rsrsrs. Para sair da cidade, bastava pegar a rua a direita do hotel (a que tem o templo gigante) e seguir direto que eventualmente estaríamos na estrada.

Estava bem frio e o guia nos deixou ir por conta os primeiros 100km até um ponto de encontro para tomar café.

Parada estratégica para esquentar o corpo com um café

Depois mais 50km para abastecer e fazer o checkpoint. Até então seguíamos a mesma estrada que usamos para chegar em Shigatse a partir de Saga, neste ponto pegamos uma saída à esquerda para fazer um trecho novo.

Seriam mais uns 80km até o próximo checkpoint onde aguardaríamos o caminhão e o guia. Se já estava frio pela manhã, neste trecho, até surgir os sol por trás das grandes montanhas que cercavam a estrada, fez mais frio ainda.

Teríamos mais uma passagem, dessa vez a 5.240m. O motor da moto sofreu nos últimos 2km de subida, até pensei que teria que empurrar a moto.

Que ponto bacana. E o que parecia ser uma chuva fina, era na verdade pequenos flocos de neve, que experiência legal. Até que chegaram os vendedores ambulantes que ficam ali esperando os turistas, conseguiram me tirar do sério e sai antes de tirar mais fotos.

A vantagem é que logo adiante havia um ponto para captar a beleza da região. Rodamos morro abaixo contornando as montanhas e acompanhando o rio abaixo, passando por pequenos vilarejos até chegar no checkpoint por volta de 12:30.

Ficamos esperando o caminhão e uns dos caboclos da Nova Zelândia cuja moto deu pane na caixa logo após a passagem. Chegaram uns 20min depois e enquanto o mecânico abria o motor para ver o que era, aproveitamos para almoçar. Alguns compraram macarrão instantâneo, eu fiquei no biscoito recheado do mal feito na Rússia.

Biscoito recheado do mal feito na Rússia

Depois de 1h desmontando o motor, aparentemente a alavanca da caixa havia quebrado e precisamos esperar um pouco mais até conseguirem realizar um reparo.

São 15 para 16:00 e ainda estamos aguardando o conserto, sentados num restaurante logo após o checkpoint, praticamente cochilei esse tempo todo, afinal não tem muito mais o que fazer a não ser aguardar. As 16:20 desistiram e colocaram a moto no caminhão. Como escurece tarde, ficou decidido que vamos para o Everest Base Camp assim mesmo.

Pegamos a saída para o parque. Seriam 25km subindo o morro, 25km descendo e 25km pelo vale atravessando os pequenos vilarejos. De cara ao chegar ao topo da passagem a 5.200m, damos de cara com a Cordilheira do Himalaia lá no fundo. Que vista fantástica!

Após 75km, chegamos ao ponto onde se pega o ônibus para chegar no Base Camp. É interessante porque o ônibus é elétrico e alcançou 80km/h subindo o resto do morro até o Base Camp.

Já nesse último trecho de estrada, somos agraciados com a visão do dito cujo, céu limpo e ele lá desnudado: o Everest!

O Base Camp é uma coleção de barracas toscas e ainda bem que não vamos dormir aqui. Imaginei o frio infernal que deve fazer.

Sem mais delongas, vamos ao dono do espetáculo. Segundo o Canadense da turma, existe 10% de chance do tempo estar aberto para se conseguir ver o Everest. Bom, mais aberto do que estava, só se estivesse fazendo calor. Incrível, conseguimos chegar no dia em que o céu estava totalmente azul.

O nosso guia comentou que foi a primeira vez que viu o Everest com tempo tão limpo
O amigo peruano que quase perdeu o espetáculo, ainda bem que convenci ele a vir conosco

Gastamos uns bons 30 minutos entre admiração e aguardar o ônibus para descer de volta a onde estavam as motos. Efetivamente saímos para estrada já as 21:00. Agora valeu cada segundo excedido.

Como já estava escuro, o guia recomendou que seguíssemos o caminhão, por mim tinha ido de boa que o farol da moto estava suficiente. E lá fomos, até um dado momento em que o motorista pegou uma saída à esquerda numa estrada de terra.

Segundo ele, era um atalho através da velha estrada para Tingri que teria apenas 60km. Considerando que era mais ou menos isso até sair na estrada principal lá na entrada do parque e depois ainda tinha mais uns 70km na rodovia, resolvemos ir pela dica do motorista.

A estrada estava boa, exceto por um ou outro buraco e depressões, mais do que esperado numa estrada de terra e assim seguimos na frente do caminhão. A questão é que estava um breu danado. Tão escuro que numa bifurcação que ficamos na dúvida e esperamos o caminhão para o motorista indicar o caminho, quando desligamos os faróis, vimos a via láctea inteira. Que espetáculo! Pena que todos estavam sem bateria no celular e não houve registro.

Uma vez indicado o caminho, continuamos seguindo aos trancos e solavancos, principalmente nos aquedutos que estavam sempre acima do nível da estrada e se não prestasse atenção, o salto poderia jogar no chão.

Daí a pouco começa uma leve subida de serra com algumas curvas traiçoeiras e de repente a estrada me pega morro abaixo. Nada demais, né? Exceto que era estrada de terra (depois de ver algumas máquinas no caminho, concluí que era o sublastro da reforma da estrada), um breu danado, sem placa, solavancos sem fim. Quando olhei que já estava beirando os 60km/h, vi que era demais. Lá na frente, três companheiros mais empolgados desciam a lenha acelerando as motos. É muita coragem numa estrada desconhecida.

Em fim alcançamos os asfalto 60km depois (rapaz, o motorista tinha razão) e por não saber o caminho do hotel, ficamos aguardando no acostamento até o caminhão aparecer uns 20 minutos depois. Isso já era mais de 22:00.

Chegamos no hotel, todos exauridos e ninguém reclamou do frio, da hora, do desgaste, afinal era um preço pequeno a pagar pelo espetáculo que que o dono do topo do mundo nos mostrou.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 20/09/19 Lhasa a Shigatse

Sairíamos um pouco mais cedo as 07:45, principalmente porque o café do hotel começa às 07:00, senão era até melhor sair mais cedo, frio por frio, tudo a mesma coisa.

Conforme explicações do guia, pegaríamos outra estrada um pouco mais longa, com menos trânsito e mais paisagens para encher a vista (acho que vou atrasar o grupo novamente com as paradas estratégicas para fotos).

No final, o café só abriu as 07:30, naturalmente impactando a programação inicial e saímos por volta de 08:00. Para sair da cidade, fomos acompanhando o caminhão, e isso me impediu parar para algumas fotos que seriam fantásticas, principalmente do Potala Palace com um pico nevado vem atrás.

O frio ia apertando a medida em que avançamos

Praticamente pegamos o mesmo anel rodoviário em que viemos e pouco após sair da cidade, pegamos um bifurcação para o outro trecho de estrada. Diferente do que viemos, este acompanharia as montanhas com picos glaciais e teríamos uma passagem a 4.900m! Ponto mais que positivo para a vista do lago lá em baixo após a passagem.

Aliás que trecho lindo, principalmente a subida e descida de serra para pegar a passagem, paisagem única e a medida que subíamos ia ficando ainda mais gelado do que já estava. Inclusive hoje está um dos trechos com temperatura mais fria.

A ideia segundo o guia seria rodarmos 70km até encontrar o posto. Bom, o posto estava a 100km, já até larguei para lá essas referências de km dele, o desvio padrão é muito elevado. Após abastecer, paramos numa bodega para almoçar, não fosse os demais turistas estrangeiros que também almoçaram ali, acho que comeria somente uns biscoitos para não arriscar. A priori estamos na metade do caminho.

Parece que estava frio mesmo.

Após o almoço, a indicação era rodarmos mais uns 80km e aguardar no checkpoint policial. No caminho teríamos mais duas passagens, sendo a primeira a 5.000m. Como já estávamos num ponto alto, nem se percebeu a diferença é foi uma rampa rápida. Agora que vista surreal de uma cordilheira de montanhas nevadas. Muito lindo. Ponto negativo para um ponto de parada para tirar fotos. Os caboclos queriam cobrar 50 yuans por cabeça, depois de uma difícil discussão por causa de diferença de língua, fomos embora sem pagar e paramos alguns km depois onde se tinha uma vista mais fantástica ainda.

Fim do maravilhoso trecho de estrada no checkpoint policial

Após o checkpoint policial seria o último trecho de uns 80km, atravessando uma região de fazendas. Uma reta infinita com fazendas intermináveis em ambos os lados, comparado com o maravilhoso trecho anterior, tornou a estrada tão enfadonha que me deu até sono. Custei a achar um ponto que valesse parar para uma fotografia.

Aguardamos o caminhão de apoio numa bifurcação que seria a outra entrada de Shigatse e daqui a pouco estávamos no hotel. Um rápido banho, deixar as coisas preparadas para amanhã (principalmente mais uma camada de roupa) que o plano seria sair cedo às 07:30 e bora para aquele restaurante legal do super hambúrguer de Yak.

Na verdade tinha queijo dessa vez, então pizza time!

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 19/09/09 Lhasa

Novamente o plano era fazer o segundo City Tour a partir de 09:30, então tempo mais que suficiente para acordar de boa.

Iniciaríamos pelo Potala Palace, sinceridade ao chegarmos perto e ter a ideia da grandiosidade da estrutura, fiquei boquiaberto. O único porém é que as visitas são separadas por grupos por hora e o nosso ficou para 13:00.

O Palácio Potala é realmente imponente

Assim o guia decidiu nos levar no templo Jokhang que iríamos à tarde. Por acaso é o mesmo templo que passamos por fora ontem quando estávamos perambulando pela rua do centro antigo. Foi uma visita corrida, uma vez que 12:00 deveríamos voltar para o Potala Palace.

Novamente uma riqueza de detalhes incrível nas pinturas na parede e nas estátuas. Uma pena que foi meio corrido.

Voltamos para o Potala Palace e realmente é uma lugar incrível. A grandiosidade da estrutura é fora do comum. O tenso é subir as rampas infinitas. Ao menos a vista é de tirar o fôlego, literalmente.

Vários chineses tiravam foto com o dinheiro na mão, depois que vi que tinha a imagem do palácio na nota e tirei foto também, uai

Até efetivamente entrarmos no palácio, foi possível tirar fotos, uma vez dentro do mesmo, nenhuma foto era permitida. Acredito que duas justificativas sejam plausíveis, a primeira é a questão do flash que sabemos que é nocivo para pinturas antigas. A segunda é uma impressão minha pela quantidade de turistas que perambulam nos locais (principalmente chineses, absurdo a quantidade). Imagina cada um parando e fazendo 500 poses para escolher a melhor foto. Ia gerar engarrafamento.

Neste caso, a organização da visita é bem bolada, se entra por uma extremidade e sai por outra oposta, criando um bom fluxo e com a vantagem de ter um panorama de parte da cidade quando se chega no palácio e outra vista ao sair. Bacana demais.

The Tibet Riders
Creio ser um bom motivo para viajar

Por volta de 14:30 completamos os passeios previstos e então fomos procurar um restaurante para o almoço. O guia indicou o House of Shambhala que lembro ser nos arredores no hotel, passamos na porta ontem ao voltar do centro antigo.

O nome e a explicação dos ingredientes dos pratos é a melhor parte do restaurante. Após comer um delicioso filé de Yak no que podemos chamar de molho madeira, partimos para mais uma perambulação pelas infinitas ruelas do centro antigo.

Um dos companheiros descobriu a existência de uma loja de artesanato feito à mão e imaginamos a ideia de chegar lá e ver a galera fazendo os artesanatos que cansamos de ver na miríade de lojinhas.

A loja chama Dropenling. Para chegar fomos meio que no cheiro e seguindo algumas indicações do guia e do caboclo do House of Shambhala. Alcançamos um pedaço muçulmano do bairro (com direito a mesquita) e o Hotel Heritage que era a referência de localização.

Ao chegar na Dropenling encontramos algo diferente do que esperávamos, apesar de ter vários produtos feitos à mão e num conceito interessante de ajudar a população de baixa renda do interior. Então encontramos bolsas, tapeçaria, mantas, bijuterias e brinquedos de pano bem bacanas. Aliás recomendo demais a visita a quem vier.

E de quebrar no mesmo beco, ouvindo um barulho de calderaria, vamos lá conferir e encontramos vários artesãos malhando bronze para montar as incríveis estátuas que vimos nos monastérios e templos e não podíamos tirar fotos. Sensacional o trabalho dos artesão e finalmente podemos tirar fotos, mesmo que no estado cru, das benditas estátuas.

Finalmente poder tirar fotos das benditas estátuas de Buda

Continuamos caminhando perdidamente até encontrar alguma referência para achar o caminho do hotel. E assim achamos a avenida principal onde ele fica. Parte da galera resolveu descansar, eu e mais dois resolvemos dar uma volta na avenida só para passar o tempo.

Consegui até um ângulo interessante da avenida a partir da passarela com o Potala Palace ao fundo, exceto por um bendito de um poste que ficou no caminho. Voltando para o hotel, numa das esquinas, um grafite me chama a atenção.

O curioso grafite

Depois de conferir mais de perto, olho para o lado e vejo o símbolo da cerveja Vedett, olho com mais calma a vidraça e varias garrafas expostas. Cervejas importadas, praticamente tudo que se possa imaginar e a gente bebendo a Lhasa Beer que é uma porcaria. Foda é que amanhã vamos sair cedo e boteco estava fechado agora à tarde. Caramba! Se soubesse disso ontem!

Fizemos uma hora no hotel para aquela cochilada básica com selo Grilão e depois saímos para jantar novamente no House of Shambhala. Realmente a comida é muito boa e o atendimento muito simpático, recomendo demais.

O restaurante House of Shambhala

Agora é terminar de juntar as coisas, uma chuva fora de hora agora à noite deixou parte da roupa um pouco molhada, amanhã ponho de volta na sacola e estaremos prontos para pegar a estrada de volta a Shigatse as 07:45.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 18/09/19 Lhasa

Dessa vez não foi preciso acordar tão cedo, porque a van para o City tour sairia somente 09:30. A ideia de hoje segundo o guia seria visitar um monastério pela manhã e outro à tarde.

A parte ruim é que a van parece ter o mesmo problema de que um Chevrolet Vectra que tive. Uma conexão do sistema de combustível não veda direito e o vapor de gasolina entra pelo sistema de ventilação. Aí você imagina o perfume para uma pequena viagem de 45km ou 1h30m.

Vista da cidade de Lhasa

Ao menos deu tempo do guia contar um pouco da história de Lhasa e seu povo. Uma coisa interessante é que é tradição ir aos templos pela manhã limpar a mente e o coração e ir nas casas de chá à tarde para confraternizar. Portanto há muitos monastérios e ao menos umas 1.000 casas de chá.

A primeira visita foi no Drepung Monastery que fica bem localizado na encosta de uma montanha com uma ótima vista para o vale, fonte de água, acesso limitado, etc. ou seja, isso era mais uma cidade fortaleza que querem nos enganar dizendo que é um monastério.

Brincadeiras e considerações a parte, o lugar é gigante e foi, até a construção do famoso Potala Palace, a residência oficial do Dalai Lama. Ah, não seria isso então um castelo ou palácio, Fantini? Pois é, deixa na miúda. A construção tem lá seus 300 ou mais anos.

Vistas do imponente Drepung Monastery
A cozinha local era uma parte viva da história do monastério.

Boa parte das áreas internas são proibidas para fotografias e basicamente são salões e mais salões (exceto pela antiga residência oficial do Dalai Lama) adornados com centenas de estátuas e pinturas das várias manifestações de Buda. Uma parte interessante é que o budismo original nasceu na Índia e não tendo muito espaço devido à força do hinduísmo, acabou se assentando no Tibet e partes do Nepal.

Além disso, parte das crenças, budismo e hinduísmo se misturam e é possível ver similaridades em algumas das pinturas e estátuas existentes no monastério.

No caminho para o próximo monastério, entramos num túnel quilométrico muito mais bem conservado que o túnel da Lagoinha em Belo Horizonte. Fico imaginando qual a fonte de investimento, pois por onde rodamos até o momento, só vi indústria de turismo.

Almoçamos em um self-service do mal na porta do segundo monastério. Aliás comida muito boa, fora os chicken nuggets que aqui vem com um palitinho de picolé. É bem interessante, não fosse a questão de gerar mais lixo.

O próximo “monastério” chama-se Sera Monastery, tão gigante quanto o primeiro e ainda com mais cara de que foi realmente uma cidade / castelo no passado. Neste visitamos um salão onde haviam três mandalas feitas de areia colorida. Uma incrível obra no requinte de detalhes e novamente sem poder tirar foto. A melhor aproximação seria os “tapetes” feitos durante a semana santa em algumas cidades do interior de Minas.

Novamente outro monastério que mais parece uma cidade estado antiga

Na sequência de salões, uma grata surpresa, estão realizando o processo de revitalização das incríveis e detalhadas pinturas nas paredes. Neste foi possível ver a riqueza de detalhes que no primeiro monastério estavam apagados pela câmara de poeira e gordura.

Visão das ricas pinturas espalhadas ao longo das paredes dos salões internos

Depois um salão com mais representações das manifestações de Buda, agora com adornos diferentes, inclusive a inusitada presença de dois dragões segurando esferas. Seriam duas esferas de dragão perdidas por aí? Goku ficaria louco. Uma pena não poder tirar uma foto, porque indiferente de crença, essas obras eram realmente incríveis na riqueza de detalhes.

Finalmente fomos assistir ao debate entre os monges que ocorre às 15:00 e seria o ápice da visita. Interessante que os monges tibetanos já a centenas de anos tem o modelo de debate entre os mais novos e os mais velhos como processo de aprendizagem das escrituras sagradas e a gente só foi se dar conta disso a poucos anos, alterando o modelo do professor que ficam falando sozinho, enquanto os alunos escutam e anotam calados sem sequer questionar o que está sendo dito.

Esse monge estava bem empolgado e aparentemente desafiou bem os mestres.

Voltamos para o hotel e como ainda estava cedo, aproveitei para lavar as meias e cuecas, já que o hotel não lava roupas de baixo. Logo em seguida a turma resolveu dar um volta nos arredores do hotel, uma vez que estamos na parte antiga da cidade.

Pegamos uma ruela e fomos caminhando de ruela em ruela com suas lojinhas até chegar num posto de controle policial, após passar, aquela visão incrível de realmente chegar no centro antigo de Lhasa. Sensacional.

Fomos caminhado na Barkhor Street seguindo o fluxo que sempre caminha no sentido horário (aparentemente a rua é circular, até chegar na praça principal e o templo budista Jokhang considerado o mais sagrado pelos tibetanos. Não sem antes parar em algumas lojas aleatoriamente, quando cada um dos caboclos encontrava algo de seu interesse.

Fiquei preocupado por um bom tempo, por não achar nunca uma loja que vendesse imãs de geladeira. Com muita dificuldade achei uma pequena banca onde a moça tinha alguns e consegui completar a missão principal. Na sequência achei uma loja de incensos, porque já sei que um certo carioca lá em Moçambique vai me cobrar.

Continuamos caminhando até achar o restaurante que fica no topo do telhado de um dos prédios conforme dica que o catalão viu com seus contatos. Ao chegar lá, minguem animou a comer e ficamos na cerveja mesmo. Sim, aquela cervejinha fraca Lhasa Beer e ainda quente. Imagina uma das nossas cervejas de milho, quente, final de festa. É a mesma coisa. Ao menos a vista do restaurante compensa.

Voltamos para o hotel através das ruelas com algumas paradas estratégicas em mais lojinhas. Na verdade a turma decidiu ir direto para o jantar e fomos novamente no restaurante de ontem. Dessa vez vou experimentar o strogonoff de Yak.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 17/09/19 Shigatse a Lhasa

O dia começaria às 09:30 para fazermos a última etapa que não conseguimos ontem para tirar a habilitação temporária local. Então combinamos de encontrar as 08:00 no café da manhã. E organizar qual estratégia para seguir para Lhasa assim que liberasse as habilitações por volta de meio dia. Um dos colegas indicou macarrão instantâneo de almoço para ser rápido, acredito que vai ser isso mesmo e depois 6h de estrada.

Uma bela aurora

No final, o processo foi somente proforma. Nos apresentamos, apresentamos a papelada e fomos liberados enquanto o guia organizava as aprovações e assim voltamos para o hotel para aguardar a liberação final.

O guia voltou 12:30 e finalmente voltamos para a estrada. Logo que saímos da cidade, paramos para reabastecer.

Prontos para finalmente pegar a estrada de novo

Seriam 80km até a próxima cidade e depois mais 40km até o checkpoint policial, no final o checkpoint estava a 20km.

A estrada atravessa o vale acompanhando o rio com as imponentes montanhas em volta. Muito bonita a paisagem, agora a preocupação em impor ritmo para conseguirmos chegar em Lhasa antes de escurecer me vez parar menos para fotos.

De volta a estrada

Num dado momento havia um trecho em construção. Basicamente estão duplicando uma estrada que na minha opinião é suficiente para o trânsito que tem. Além disso, há uma super ferrovia sendo construída em paralelo e em vários pontos é possível ver onde fizeram túneis para reduzir a quantidade de curvas (algo que não é bem vindo em ferrovia).

Uma marca registrada da China: obras e mais obras

Após o checkpoint policial, o guia pegou um das motos (um colega passou mal e desde ontem o mecânico vem pilotando). A recomendação é seguirmos ele daqui por diante porque há muitos radares e o limite de velocidade é 60km/h. E assim fomos enfadonhamente por um par de kms até um momento que o próprio guia perdeu a paciência e nos liberou por conta, indicando que em 40km faríamos uma parada no posto. Bom, o posto estava a 50km e isso deu um pouco de frio na barriga.

Abastecidos avançamos mais um pouco até o próximo checkpoint com as montanhas em volta e o rio serpenteando ao lado, atravessando pequenas vilas.

Numa dessas, um maluco saiu do nada da lateral e entrou na pista da rodovia de uma vez (não sei porque me lembrou Moçambique) e ainda bem que consegui reagir a tempo. Agora a 500m outro maluco tentou o mesmo e um carro o acertou. Estavam lá no meio da pista, estatelados.

Já são 18:30 e o sol continua a pino. Só não vou falar que parece sol de 16:30 porque provavelmente é mesmo, não fosse o fuso seguir Beijing.

Trecho muito agradável

O guia novamente pediu para o seguirmos, uma vez que já estávamos próximos a Lhasa. E pior que estávamos mesmo. Daqui a pouco pegamos um super anel rodoviário novinho em folha com direito a ponte estaiada, 3 faixas em cada pista e tudo o mais. Não foi possível parar para fotos, uma pena.

Essa parte mais externa está sendo usada para expansão da cidade e novamente o modelo chinês de conjuntos e mais conjuntos de prédios desponta no horizonte.

Mais um pouco e estamos nas ruas do centro zigue-zagueando no trânsito digamos caótico. Vou ser sincero que se não fosse pela quantidade de carros, nem chamaria de trânsito, fluindo de boa e com bastante espaço para avançarmos com as motos.

Não satisfeito, o guia resolveu seguir por um monte de ruelas antigas e dividíamos o espaço com os pedestres com o cuidado para não atropelar as crianças, para finalmente chegarmos ao hotel as 19:30.

Como saímos sem almoço e o caminhão ainda não tinha chegado com nossa bagagem, resolvemos sair para jantar logo. No intervalo de subir no quarto e deixar capacete e jaqueta, o caminhão chegou e a turma toda foi num restaurante nepalês na esquina da avenida do hotel.

Caminhando pelas ruas de Lhasa

Para minha grata surpresa, adivinha o que tinha no cardápio? Pizza. Pedi o mix de carne de Yak, porco e frango. Sensacional, só faltou o azeite que o caboclo do restaurante explicou que não tinha.

Pizza time!

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 16/09/19 Sakya a Shigatse

Novamente tomamos o café por volta de 07:15 e assim pegamos a estrada às 08:00. O trecho de hoje seria de apenas 180km e o guia avisou para mantermos a atenção com o trânsito de caminhões.

Como já acordo cedo de costume, nem faz muita diferença, o que está foda é o frio de manhã e para evitar choque térmico e um resfriado fora de hora, tenho evitado o banho da manhã. Não deixei de tomar o banho da noite, brasileiro né. Se deixar toma até três banhos para a ojerizava dos demais companheiros de costumes europeus.

Já fui deixar a bagagem no lobby do hotel para ganhar tempo e estava tudo escuro e sem viva alma, voltei com as tralhas para o quarto antes de aventura para o café da manhã no terceiro andar. Por incrível que pareça, o café da manhã tinha coisas que consideramos normais como frutas e torradas com manteiga.

Um café da manhã um pouco mais próximo do nosso
Preparando para pegar estrada

Conforme programado, pegamos estrada as 08:00 em direção a Shigatse. Estrada bem tranquila, novamente acompanhando o rio cortando o vale, exceto por uma única passagem em que subimos e descemos a serra.

Combinação perfeita de curvas e retas, uma pena o monocilíndrico de 500cc da Royal Enfield não ter torque e potência suficientes para uma tocada mais divertida para aproveitar melhor a estrada.

Poucas vilas e pequenas cidades ao longo do caminho, exceto por um grande aglomerado de vilas onde um grande aviso pintado direto na montanha indicava em tibetano, mandarim e inglês: “The world barley city welcomes you”.

A partir deste aglomerado até nosso destino final eram apenas mais 20km e quase fui atropelado 5 vezes por motorista vindo na outra direção fazendo ultrapassagens próximo a curvas ou em retas com pouco espaço.

Pegava acostamento, ao menos dessa vez tinha, para evitar o pior e naturalmente congratulava os motoristas boca aberta com o belíssimo troféu dedo. Cambada de cornildos, vão lá catar coquinho!

Ainda bem que dessa vez havia acostamento para desviar de ultrapassagens erradas
Portal de Shigatse
Apareceu o resto da trupe

Chegamos em Shigatse no horário programado. Ok, consegui parar para fotos e numa tocada mais forte, não perdia o povo de vista. O plano original era levar as motos para a vistoria, porém o guia alterou o plano e nos trouxe primeiro a um hospital, o que imaginamos ser o exame clínico e assim ficamos aguardando no estacionamento.

Basicamente o guia agendou nossa consulta e de lá seguimos para o posto policial, onde também deixou agendado nossa vistoria. Finalmente passamos numa fotógrafo para tiras fotos para a documentação. Em seguida fomos para o hotel por volta de 12:30, afinal temos que esperar até as 15:00 para retornar às atividades.

A animação de um dos companheiros ao descobrir que a documentação não era na hora

Dobrando a esquina do hotel e seguindo a rua até o final, achamos um excelente restaurante e conseguimos fugir do menu típico comida chinês ou comida tibetana. Neste havia um mix com influência de comida ocidental.

Dois colegas pegaram hambúrguer de carne de Yak, um pegou hambúrguer vegetariano e eu peguei um bife de Yak com fritas. Muito bom, a textura é de um bife bovino comum e o gosto lembra o de bife de fígado.

O até então desconhecido bife de Yak com fritas

Na discussão, alguém leu um artigo que indicava que a quantidade de oxigênio no ar aqui é 67% da quantidade que estamos acostumados mais próximo do nível do mar.

Uma arquitetura diferente

As 15:00 saímos para a odisseia da documentação. Primeiro passamos na seguradora para pegar o seguro obrigatório local. De lá fomos buscar as fotos. Na sequência hospital. Um dos companheiros teve mal de altitude e até veio no caminhão no trecho de hoje. Se ele passar no exame, todo mundo passa. Para a sorte dele e de todos nós, era só um exame simples de vista, todos passamos.

A próxima etapa é a vistoria das motos, rodamos por boa parte da cidade e deu para perceber que não é pequena e viemos parar, digamos, do outro lado. Mais uma espera longa com o sol lascando. A sorte foi que achei uma bodeguinha vendendo água e comprei para todo mundo, já que ficamos lá por volta de 1h.

Compasso de espera no sol de rachar o coco

Dai seguimos para o registro das motos, o interessante é que passamos através de um super condomínio em construção, com dezenas de prédios, bem ao estilo chinês de fazer tudo gigante e exagerado. Como ficamos agarrados até 18:00, a última etapa que é tirar a habilitação temporária local ficou para amanhã a partir de 09:30.

Mega condomínio típico chinês
Aguardando o registro das motos

Enquanto seguíamos de volta para o hotel, passamos em frente à entrada do monastério de Shigatse e a turma resolveu dar uma olhada. Devido ao horário não nos deixaram no primeiro momento e depois de uma conversa comentando que amanhã iríamos embora, liberaram uma rápida visita.

Só ficamos no pátio principal onde pegamos algumas fotos com a imponente construção ao fundo, incrível. Daí a pouco uma chuva fina e um arco-íris duplo para coroar o dia.

Parece que o projetista da praça sabia do arco-íris ao posicionar as estátuas

Voltamos para o hotel para uma ducha rápida e partimos novamente para o restaurante legal, afinal vi que tinha pizza no cardápio. Pizza time!

Quase perfeito, disseram que não tinha queijo, fiquei sem pizza e tive que me contentar com um delicioso Yak Burger.

Yak burger time!

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 15/09/19 Saga a Sakya

Hoje sim seria um trecho de 350km, acho que eu é que estou confundindo tudo. As 07:15 estávamos a postos para o café, para podermos pegar estrada por volta de 08:00.

Mudando um pouco a estratégia de proteção contra o frio, resolvi colocar uma segunda luva por baixo da luva térmica, o motivo é que descobri que a costura da mesma não veda bem o vento e isso explica alguns momento em que senti mais frio nas mãos.

Para a cabeça, o buff (aquele pano tubular multiuso que se coloca no pescoço e pode puxar para a cabeça foi muito útil, principalmente este que comprei com proteção contra vento. Somente que não me dei conta de que deixei meu “pequeno” nariz exposto ao sol. Se a região é famosa pela temperatura mais fria, o sol calcina. Então vou usar a balaclava para esquentar a cabeça e assim o buff pode tampar melhor o nariz.

Pouco antes do café, uma chuva rápida deu aquele banho de água fria na turma. Pegar chuva no meio da estrada nem é tão sofrido, eventualmente ela acaba e até chegar ao destino, você já está seco, agora começar a viagem debaixo de chuva normalmente tira qualquer um do sério. Ainda bem que foi só uma rajada e em uns 10mins parou.

De qualquer maneira o dia começou bem frio por causa da umidade, enquanto subíamos a serra, foi uma sábia decisão colocar mais proteção contra o frio.

Pegamos uma variação entre subir serra, descer serra, pegar estrada contornando o rio no pé da serra e assim fomos cada um do seu ritmo. A questão de viajar em grupo é essa, é impossível manter o grupo coeso, já que cada um vai no seu ritmo e o distinto aqui sempre ficando para trás por parar para tirar fotos.

E assim íamos com paradas estratégicas a cada 50km para juntar todo mundo novamente. Numa dessas paradas, após explicações do guia que haveria um checkpoint da polícia ao final de 60km, sai todo feliz na frente para ter tempo de parar para alguma foto sem ficar tanto para trás. Não andei nem 1km, um novo checkpoint em construção e só não passei direto porque o policial que não estava à vista me gritou lá da guarita improvisada. Não teve problema.

Outra vantagem das paradas era ter a oportunidade de acertar alguma coisa na moto. A minha por exemplo estava engasgando e foi um grande esforço conseguir vencer a primeira serra, como imaginei, o filtro estava um pouco saturado para a condição de ar rarefeito. Se tivesse jogado remédio contra mal de altitude no tanque, de repente não teria problema.

A estrada passa por paisagens lindas e se não tirei tantas fotos quanto normalmente faço é porque não podia perder tanto a galera de vista e porque tirar fotos usando dois pares de luvas gasta uns bons 10min entre parar a moto, descer, tirar as luvas, achar os ângulos, voltar para moto, botar as luvas e voltar para a estrada. O outro impeditivo era a falta de bons pontos de acostamento para uma parada segura.

E nisso podemos afirmar que os demais veículos fazem lambança. Se você acha que em Moçambique é ruim porque tem uma turma que dirige no meio da pista, parecem que os colegas asiáticos tem o mesmo conceito. Isso torna ultrapassagens relativamente perigosas e haja buzina para o caboclo a frente voltar para a pista.

Mais ou menos na metade do caminho paramos para abastecer e o posto estava lotado, o guia resolveu rodar mais 60km até a próxima cidade, nada de mais. Faltando uns 20km, a moto deu reserva. Lembrei das várias vezes em que tive pane seca no meio da estrada e agradeci que a chave não estava virada para reserva e ainda tinha algum combustível.

Paramos primeiro para um almoço em um restaurante chinês, novamente o guia escolheu o banquete. Quando achei que era comida demais, o povo comeu praticamente tudo, incrível!

Na hora de sair, surgiu uma chuva fina. Durou enquanto abastecemos e um pouco mais ao longo da estrada. Após uns 20km, pegamos uma estrada vicinal em direção a Ancient City of Sakya.

Aliás mesmo com o tempo úmido de manhã e essa chuva fina agora, a temperatura baixa faz o olho secar bem e incomoda um pouco. Talvez uma viseira tipo de motocross resolva, apesar que nem quando fazia trilha eu usava por achar incômodo. De qualquer maneira considerar que ao invés de trazer os óculos escuros mais fechados que tenho para viajar de moto, trouxe somente os óculos de dia a dia, não sei até que ponto pode ter contribuído.

Quando achei que a estrada velha para Sakya seria um trecho longo numa estradinha de interior, lá vem o governo chinês e transforma numa super estrada. Ficou até mais fácil chegar logo na cidade e no hotel. Como chegamos cedo as 16:15 (considerando que avisaram que chegaríamos por volta de 18:00), tivemos tempo para um City tour.

Fomos correndo para o Monastério, uma construção enorme, porque as 17:00 haveria a famosa dança do monges. A apresentação parecia mais uma espécie de ensaio, pois estavam bem descoordenados com o mestre que puxava a dança e o compasso com um tambor de cerimônia. Sofrida era a vida dos responsáveis por tocar as grandes cornetas, se berrante já é difícil, imagina um cornetão de 2m de comprimento! Outro ponto interessante, um outro mestre ia junto com o mestre do tambor, só que segurando um bastão adornado de penas de pavão que ele balançava no compasso do tambor. Eu fiquei curioso porque até agora não vi pavão nenhum por aqui.

A construção do monastério é bem interessante e estava tentando imaginar a data de construção, só depois perguntei para o catalão se o guia havia comentado e ele me disse que era algo em torno do século 9 ou 10. Quando ia soltar um “incrível essa construção estar de pé até hoje”, acrescentou que durante o período da Revolução Cultural Chinesa, houve danos gerais e a construção original foi reformada. Também vi alguns sinais de modernizações como água encanada e eletricidade.

Voltamos para o hotel para tomar aquela merecida ducha e aguardar a hora do guia levar para o jantar, deixa eu adivinhar, restaurante chinês.

Falando em chinês, que povo que gosta de colchão duro, praticamente uma tábua com uma cobertura de edredom, incrível, parece que todo hotel será assim agora.

Só para tirar onda, o guia nos levou num restaurante tibetano. Explicou que a diferença é que não tem carne de porco ou frango, que os chineses comem. Já os hindus não comem carne bovina e assim não tem na cozinha nepalesa. Fora os veganos que não comem carne nenhuma. Que confusão.

O preparo da refeição foi longo, basicamente arroz, macarrão, vegetais, pedaços de carne, divididos em ensopados, cozidos e fritos. Para quem queria só fazer uma refeição leve e ir tirar um cochilo para o dia seguinte, realmente foi demorado. Deu saudade do velho e bom espetinho de churrasco e uma long neck gelada.

Enquanto esperávamos a comida, nosso guia explicou com mais detalhes o dia seguinte. Se você é fã de controles, tem que fazer essa viagem de moto. Vamos sair cedo de Sakya para Shigatse (por volta de 180km) com o objetivo de chegar antes do almoço (danou as fotos ou vou ter que me impor um ritmo mais forte) para fazermos uma inspeção nas motos no órgão oficial.

Na sequência vamos para o hotel e aguardamos o retorno do almoço de outro órgão oficial, onde faremos verificação de nossa documentação e exames clínicos. O objetivo é fechar isso na parte da tarde e assim no dia seguinte seguir para Lhasa num trecho que deve gastar por volta de 6h. Se não der certo, faremos na manhã do dia seguinte e a turma já combinou de almoçar o mais rápido possível e dar um tiro para Lhasa de tarde. Considerando que anoitece por volta de 20:00, não vejo problema. Aliás não vejo problema algum, exceto o almoço demorar demais. Veremos.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 14/09/19 Kyirong a Saga

Apesar do quarto do hotel ser bem ajeitado, o colchão era meio duro. Quem sofreu mesmo foi o catalão que está dividindo o quarto, me mostrou o colchão dele e parecia uma tábua.

Como sempre deixamos uma parte da cortina aberta, uma certa hora da madrugada acordei com um luz estranha vindo da rua e custei a entender que a variação entre verde, amarelo e vermelho era o bendito do sinal lá da esquina, bem na altura da janela do quarto. Caramba, me senti no apartamento fuleiro do Moloch (veja a graphic novel Watchmen).

Na sequência foram os chineses ou tibetanos, agora já não sei mais, que aproveitaram a sexta para sábado para ficar na rua até tarde. Povo barulhento igual escape aberto de moto numa falação infinita, daí a pouco quando acordei mesmo por volta das 06:30, os cornildos continuavam lá na rua falando alto até virar do avesso. Que isso!

O banheiro era legal por ser aquele estilo que temos no Brasil de pia, privada e chuveiro tudo junto. O único porém é que a privada era daquela bacia turca no chão e a porcaria do chuveiro apontada bem em cima. A sorte foi que consegui girar o tubo e mirar o chuveiro em outro quanto para conseguir espaço para tomar banho.

Após o café da manhã, tivemos uma espécie de manhã livre em Kyirong, a super cidade do interior, uma vez que sairíamos apenas após o almoço. O guia explicou sua estratégia para podermos descansar bem, pois teríamos o primeiro contato com altitude próxima dos 5.000m.

Além disso indicou a necessidade de pegar mais permissões para garantir nossa passagem na estrada, realmente há muitos controles aqui. Para se ter uma ideia, deixamos nossos passaportes na recepção ontem e até agora não recebemos de volta, enquanto fazem registro na polícia local.

Saindo após o almoço e com a expectativa do guia de fazermos o trecho de 350km em umas 5h (acho que vou gastar mais ao parar para tirar fotos), devido ao fuso que acompanha Beijing, como percebemos ontem, escurece bem tarde e ainda chegaremos com dia claro.

A volta pela cidade se resumiu a dar uma volta nos dois quarteirões ao redor do hotel e ver as lojas de coisas normais, nenhum imã de geladeira à vista, e visitar o monastério budista local. O monastério é bem interessante e fizeram um super praça bem em frente com um super telão gigante. Bem vindo a China.

Efetivamente saímos por volta de 14:00 e distância passou para 180km e após rodar numa estrada maravilhosa, eu espero que a gente esteja em Saga.

A estrada começou no pé do vale e se na cidade em que estávamos se via montanhas verdes e um clima mais úmido, agora aos poucos vou dando lugar a um clima seco e montanhas que mais pareciam pilha de estéril (termo de mineração). Um visão inusitada, porque havia um rio correndo no pé desse vale e a estrada ia margeando o mesmo, paisagem bem interessante e diferente de tudo que já tinha visto até então.

Seguimos até um checkpoint militar que foi praticamente zero de dificuldade pelo tanto de recomendação que o guia havia feito. O legal que nesse ponto havia uma cidadela antiga com aquela arquitetura milenar, não tivemos tempo de ir lá conferir para melhores ângulos de foto.

Daqui por diante seguíramos até o ponto mais alto dessa estrada, subindo num zigue-zague divertido. A paisagem também ganhou pouco mais de verde até alcançarmos 5.230m de altitude.

O frio apertou um pouco e a preocupação com o mal de altitude foi zero, uma vez que já estava tomando o remédio fazia dois dias conforme dica do peruano.

A partir deste ponto mais alto continuamos na estrada descendo aproximadamente 10km até um altiplano, onde pegamos uma saída à esquerda em direção a Saga. Logo na sequência paramos para um lanche e café quente para recuperar do frio.

Houve uma pequena serra novamente com os zigue-zagues divertidos e novamente um altiplano. Quase chegando na cidade, houve um desvio por um trecho de cascalho e terra, nada demais. Paramos para abastecer logo que voltou o asfalto e na sequência chegamos no hotel. Sim, o guia confirmou, chegamos em Saga.

Está razoavelmente frio e andamos a pé até um restaurante chinês, onde o guia escolheu uma coletânea de pratos. Nem deu tempo de tirar uma foto, porque a medida em que os pratos chegavam, a galera atacava. Estava muito bom.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 13/09/19 Syavrubesi a Kyirong

O dia amanheceu nublado e tinha a leve esperança de que ficasse assim e sem chuva. Ledo engano, enquanto tomávamos café aguardando o horário em que a fronteira abre, 08:00 no Nepal e 10:00 no Tibet. Opa, espera aí Fantini, que magia negra é essa?!?!? Fiquem tranquilos, é o mesmo horário, somente fusos diferentes, ok, considerando que vamos simplesmente atravessar uma fronteira terrestre, a única justificativa é que o Tibet segue o horário comercial de Beijing. Melhor nem questionar.

Naturalmente que as roupas continuavam ensopadas e para evitar ensopar outro par de roupas, resolvi colocar as mesmas. O único porém seria a calça jeans. Peguei uma calça de segunda pele para segurar a onda e o catalão vendo a situação, me emprestou uma calça semi impermeável para servir de segunda barreira. O jeans molhado foi por cima. No próximo hotel, se continuar com chuva na estrada, realmente precisamos arrumar uma fogueira para secar as roupas.

A botina também ensopada foi resolvido com o providencial truque de colocar um saco plástico em cima da meia, também dica bem lembrada pelo catalão. Que sujeito bacana ele!

Já ajustado o relógio para o horário do Tibet, por volta de 10:30 fomos para o acesso da fronteira. É interessante ver a nova e imponente ponte de concreto onde antes havia uma pequena ponte de pedra levada pelo tempo ou pelo próprio rio. Por recomendação do guia, não tiramos fotos.

Passadas duas horas de espera, recebemos a boa notícia. O escritório chinês fecharia para almoço. Então descemos a pé até uma pequena bodega, basicamente uma espécie de carrinho de pipoca encostado em um grande pedra com um monte de chapas de zinco fazendo cobertura. De qualquer maneira a tia dona do esquema foi muito simpática e enquanto a turma tomou um café com leite, fiquei no chá preto original do Nepal.

Finalmente o escritório abriu e após as devidas formalidades fomos liberados por volta de 15:30. Um ponto de atenção é que um dos colegas levava um daqueles livros guia sobre Nepal, Tibet e região e o livro foi confiscado, portanto se tiver um, decore o conteúdo e deixe em casa antes de resolver atravessar a fronteira.

A bagagem foi transferida para um pequeno caminhão de apoio e fomos apresentados para o novo guia deste lado. Seguiríamos por mais 24km morro acima (aproximadamente 2.700m) com o único porém de ter que seguir o caminhão em função de dois checkpoints no caminho. Uma pena, estrada linda, vários pontos para fotos e tivemos que nos contentar com algumas na parada do checkpoint.

Agora é interessante como infraestutura é algo que a China considera vital. Quando estive em Shanghai e região já achei algo fora do comum. Aqui, bastou atravessar para o Tibet, a lama, enxurrada e pedras soltas dão lugar a um asfalto completamente perfeito.

Em pontos onde houve deslizamentos, eles simplesmente criaram um túnel de concreto para absorver os impactos onde não foi possível fazer ancoramento. Onde era o ancoramento, dava para construir um prédio inteiro com o concreto que usaram.

E então chegamos na cidade de Kyirong. Novamente o foco em infraestrutura: uma cidade bem de interior mesmo, aparentemente pequena e com todas as ruas asfaltadas e saneamento básico. Fora um sinal em cada esquina, isso mesmo, em cada esquina. Acredito que vamos pegar só estrada boa daqui por diante.

Paramos para mais um chá próximo ao hotel, guardamos nossas coisas e fizemos uma hora antes de ir para o almoço / jantar (ou ajantarado para quem é das antigas). Entre os nomes mais diferentes possíveis tinha um tal chicken sizzler, que na foto parecia saboroso. A diversão foi a entrega do prato. Ele vem naquele esquema chapa quente para a mesa e a cena da garçonete trazendo aquela bomba de fumaça ao longo do salão foi um show à parte.

Após alguns comentários do guia sobre o dia seguinte, voltamos para o hotel para descansar.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 12/09/19 Kathmandu a Syavrubesi

Acordamos relativamente cedo, uma vez que o plano é sair por volta de 07:30. Após o café, fomos apresentados às motos, novamente vamos na Royal Enfield Classic 500cc, companheira da outra viagem da volta no Nepal. Se em 2017 a cor da moto era azul calcinha, dessa vez é um verde militar, ficou interessante. Dois camaradas vão usar o novo modelo Himalayan. Depois pergunto o que acharam.

Royal Enfield Classic 500. Não, a moça bonita não veio junto.
Royal Enfield Himalayan

Enquanto eu vou sempre com o velho par de jeans e a jaqueta surrada, a trupe está toda preparada com conjunto de cordura e botinas de trail. Rsrsrs, acho que vou passar frio e perrengue eventualmente.

Hoje são 150km, começando através do trânsito caótico de Kathmandu e pegando uma saída onde a chuva transformou a estrada não pavimentada numa lama razoável. Sujan também mostrou fotos de trechos na estrada completamente tomados por lama. Acho que vou ficar sujo.

Paramos em algum lugar próximo a um posto policial porque o carro de apoio ficou preso no trânsito enquanto seguimos e também achamos que estávamos no caminho errado. O carro de apoio chegou e após algumas explicações, o caminho era aquele mesmo e pouco depois saímos da via principal para um estrada vicinal, onde paramos na próxima cidadezinha para um rápido almoço.

O Sr Kumar que vinha no carro, acabara de receber um aviso de que havia um desmoronamento de terra impedindo um ponto na estrada à frente, uns 50 ou 60km de onde a gente estava.

Bom, aí começou a aventura. Se da outra vez da volta no Nepal, um trecho que estava em terra por ser período seco e o caos foi o trânsito e engarrafamento, dessa vez em função do final do período de chuvas, sim, isso mesmo que você está pensando, seu carismático amigo Fantini voltou a fazer trilha com direito a lama, vala, caminhão atolado, trecho com pedras soltas, cachoeiras e rios atravessando a estrada e tudo o que se tem direito.

Reconheço que os 10 anos longe das trilhas e a falta de parafernália adequada foram cruciais para um desempenho pífio. Rsrsrsrs. Pífio não, barriga verde mirim demais da conta. Que perrengue. Nem vou comentar que a suspensão baixa e mais dura da Royal Enfield tenha atrapalhado, eu que estou enferrujado mesmo e não queria de jeito nenhum estragar a viagem por comprar terreno.

E o tal desmoronamento de terra? Ah, você e eu achamos que era um deslizamento sobre a pista, né? Que nada, a pista, a pista! A pista deslizou praticamente toda, sobrando um faixa minúscula que dava para passar as motos empurrando. Um dos tiozinhos malucos da Nova Zelândia passou na raça, o patuá dele está acima do patuá dos deuses do Olimpo!

E a cereja do bolo, se você estava reclamando do calor dos infernos que estava fazendo, foi que começou a chover neste exato trecho e praticamente até o fim do dia de hoje.

E o carro de apoio, Fantini? Isso foi uma surpresa. A equipe da Parikrama Treks tinha um outro guia do lado de lá do desmoronamento esperando com outro carro, foi o tempo de transferir o material de mecânica e nossa bagagem para enxurrada começar a comer o resto de passagem que havia. Dessa vez vou contar com o patuá do tiozinho neozelandês para que ainda tenha a faixa para atravessarmos de volta. Sim, voltaremos por esta estrada no fim da viagem. Ao menos já sei que vai ser diversão garantida, nem precisa criar expectativa.

Continuamos mais uns 30 ou mais kms, já não estava acompanhando o odômetro mais, por estar concentrado na estrada. Um dos únicos momentos em que o offroad deu trégua foi numa descida de ravina fazendo as famosas chicanes e quando você menos imagina ou acredita (tudo bem já sei que é possível em função da viagem de 2017), caminhões surgem do nada subindo aquela estrada de serra estreita e cheia de curvas fechadas. É fora do nosso senso comum.

Já fechando a tarde, chegamos no hotel bem na boca da fronteira, portanto gastamos umas boas 10-11h para fazer 150km! Ok, boa parte do tempo aí foi eu agarrado na lama e parando para tirar fotos. A turma do grupo deve estar pensando: “que brasileiro mirim de uma figa!”

Jantamos aquele prato típica nepalês, bom só queria um pouco de frango e vegetais, veio o prato completo. E para explicar com educação para o cozinheiro que a comida estava excelente, somente que não queria comer arroz, que é a base da comida deles. No final aceitou quando expliquei que no Brasil estamos acostumados com feijão com arroz e assim, sabe como é, faltava alguma coisa.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 11/09/19 Kathmandu

Você acorda às 03:30 da matina sem saber se é o barulho da chuva, o barulho do gerador do prédio do lado do hotel, o fato de estar acostumando com o fuso ou a dor de barriga por ter experimentado um curry de peixe que o colega catalão resolveu comer.

Por via das dúvidas fui lá realizar uma tarefa indelegável e ao voltar para cama nada de pegar no sono novamente. Fiquei lá naquela de cochilo rápido e apesar de tudo, as 06:00 e alguma coisa quando levantei não estava tão cansado. Dizem as bocas miúdas que quando estivermos em altitudes acima dos 4.000m teremos problemas para dormir como se ficasse num estado infinito de jet-leg.

Seguindo o conselho do peruano que vive na Austrália (sim, seria mais interessante se ele vivesse na Bolívia e se chamasse Pablo conforme dita o Faroeste Caboclo), já comecei a tomar o tal remédio para o mal de altitude. Deve ajudar.

Hoje enquanto esperamos os passaportes serem liberados pela embaixada chinesa, a equipe da Parikrama Treks vai nos levar para um tour pela cidade.

Saímos de van para a antiga capital Bhaktapur onde há três diferentes praças com antigos palácios e templos. É muito interessante porque possui uma cara mais de interior e há menos disparate entre a área dos palácios e templos e o restante da cidade.

Paramos para almoçar num café instalado numa construção antiga na terceira praça. Depois nova caminhada cidade adentro até finalizar na praça inicial com direito a um sorvetinho de coalhada.

Daqui fomos parar no mais antigo templo hindu de Kathmandu, chamado Pashupatinath. O local do templo foi escolhido porque segundo a lenda, uma vaca sagrada dava mais leite quando pastava nessa região. O motivo é que Lorde Shiva em tempos idos gostava de passear na beira do rio que corre ao longo do templo.

É interessante que até hindus da Índia vem aqui para realizar orações e também é considerado o mais sagrado dos locais onde os hindus praticam a cremação dos mortos. Conseguimos vislumbrar parte da celebração da cremação.

Uma pena que a famosa chuva de 16:00 e pouco surgiu em ponto, tivemos que sair para um abrigo e depois pegar a van para voltar para o hotel. Então não foi possível testemunhar se o fogo da cremação continua acesso mesmo com a chuva, essa é uma curiosidade que ficou.

A noite fomos a outro tradicional restaurante nepalês e enquanto havia uma espécie de rodízio da culinária local, faziam apresentam de música e dança típicas. Muito interessante essa imersão cultural. E para os mais animados, uma ante-sala possui várias obras de madeira representando o que estou inferindo ser o deus hindu Brahma fazendo, digamos, brahmices. Ah, deixa o caboclo se divertir.

Ficamos combinados de partir as 07:30 no dia seguinte em direção à fronteira com o Tibet. Sujan chamou a atenção para o caótico trânsito de Kathmandu e a saída da cidade onde devido às chuvas o trecho se tornou uma transamazônica. Vai ser divertido.

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 10/09/19 Kathmandu

No noite anterior, quando cheguei no quarto, um dos companheiros de viagem com quem vou dividir o hotel daqui por diante já estava capotado.

No dia seguinte nos cumprimentamos, um catalão de Barcelona muito gente fina.

Após o café resolvemos caminhar de bobeira pela cidade, novamente um pedaço do bairro turístico Thamel com sua miríade de lojas e daí esticamos até a Hanuman-dhoka Durbar Square.

Enquanto caminhávamos, o catalão contou um pouco das suas peripécias, acabava de vir de uma viagem de moto pela Índia, ia fazer essa no Nepal / Tibet e depois pegar outra no Butão (o país, é claro). Tudo na sequência. Fora que fez um viagem de bicicleta entre Beijing e Istambul, algo em torno de 15.000km em 6 meses. É, acho que sou barriga verde ainda.

Na Hanuman-dhoka Durbar Square está ocorrendo um festival que marca o final do período de chuva. Interessante que levantam um mastro sagrado hoje, o primeiro dia do festival, e após uma semana, o mastro é cortado em lenha para uma fogueira sagrada que enfim marca o fim da chuva ou representa uma oferenda aos deuses para que acabem com a chuva.

Melhor não comentar que faço fogo sagrado é para queimar carne mesmo.

Voltamos para o hotel onde a turma da Parikrama Treks fez um briefing do que teríamos pela frente, com algumas pontuações sobre atravessar a fronteira e cuidados no Tibet por ser território chinês, principalmente se você for um fã do Dalai Lama.

Almoçamos no hotel mesmo e de tarde resolvemos ir de novo na praça, junto com a trupe toda. No final, eu, o catalão e o peruano que vive na Austrália fomos numa farmácia providenciar remédio para evitar mal de altitude e nos separamos do resto do povo ao decidir ir de táxi ao invés de ir a pé. Naturalmente que o táxi pegou um outro caminho, dando uma volta maior para usar ruas mais largas, ainda assim, aquele trânsito caótico asiático.

Andamos sem pressa pela praça e depois fomos emburacando nas ruelas e corredores com lojas por todos os lados e quando você acha que só passam pessoas, lá vem um maluco de scooter. Andamos tão distraídos e na boa da ideia de perambular sem pressa que nos perdemos. Nada que uma pequena conferida no mapa não resolvesse.

Pouco antes de chegar no hotel, desce aquele pé d’água, por acaso em horário similar ao de ontem. Quase que podem fazer igual a Belém no Pará em que se marca um compromisso antes ou depois da chuva.

Após uma descansada básica, dá-lê cerveja local Gorkha no hotel e depois, seguindo a dica do canadense que vai rodar conosco, fomos no restaurante Nepali Chulo. Cozinha nepalesa (leia-se muito condimento e muita pimenta) acompanhada de um interessante show de música e dança tradicional. O ápice da noite foi experimentar novamente o famoso badam sadeko, sim aquela deliciosa e super apimentada iguaria feita de amendoim, tomate, pepino, cebola, coentro, sumo de limão, pimenta, mais pimenta e uma pitada de pimenta. E dá-le Gorkha!

Veja a peripécia de ontem aqui. Continue comigo nessa viagem aqui.


Próximo do céu escarlate: 09/09/19 Kathmandu

De volta a Kathmandu no Nepal, após 2 anos da strange days ride. Diferente da outra vez em que rodamos apenas eu e Sujan (da equipe Parikrama Treks) em volta do país, dessa vez a trupe tem mais 6 camaradas perdidos da Austrália, Nova Zelândia, Inglaterra e Espanha para conhecer o Base Camp do Everest através do Tibet.

Está achando o que? Seu humilde amigo Fantini é cosmopolita!

A viagem começou alguns dias antes, bom bem antes, visitando a família e amigos no Brasil para comemorar duas datas importantes: 65 anos do imperador e a véspera da vinda do Mathias, o mais novo Fantini que chega em Novembro. Espero que ele seja menos afoito e faça viagens menos esotéricas que o tio.

Muitas comemorações e confraternizações depois, para alegria do Grilão, finalmente fui embora de Bhz:

– Filho, quando vai embora?

– Sábado agora, porque?

– Deus é pai!

Fraco. Só porque fiz ele perder três apresentações de artigo? Esse povo de doutorado é foda! Fora o Muamba depois de ver um monte de foto minha em aeroporto, perguntando se eu estava tentando chegar em casa desde sexta. Podemos dizer que sim, só teve um pequeno desvio.

A parte divertida de viajar atravessando fuso é que você começa num sábado por volta de 07:00 da manhã em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasi e chega no hotel em Kathmandu, Nepal na segunda-feira ao meio dia.

E naturalmente o cansaço faz você ficar distraído a ponto de conseguir a façanha de perder seu passaporte e cartão de embarque faltando 30min para começar um dos vôos. Sim, momentos de terror ao descobrir já na porta do embarque que numa ida ao banheiro para tomar uma banho de gato e trocar de camisa, você esqueceu o passaporte lá.

Volta ao banheiro, mobiliza todo mundo do aeroporto, para descobrir que uma bendita alma viu o passaporte e o cartão de embarque e levou tudo lá para o portão de embarque.

– Caramba, Fantini, como é que não teve um ataque do coração?

– A aventura só começa quando algo dá errado!

Finalmente no hotel em Kathmandu e como diz o grande mestre Chico Science: “uma cerveja, antes do almoço, é muito bom, para ficar pensando melhor!”, não podíamos deixar de experimentar novamente a deliciosa Gorkha, cerveja premium do Nepal, enquanto conhecíamos os tiozinhos (faixa etária, puxa minha orelha o Grilão, faixa etária) que vão dividir a peripécia dessa vez. 

Teremos hoje, amanhã e quarta-feira aguardando a burocracia de visto para o Tibet, território chinês. O jeito é tomar uma de leve para aplacar a espera e recuperar do susto do passaporte, principalmente que a temperatura está elevada em Kathmandu devido à alta umidade do fim do período de chuva.

Só não vou reclamar sobre quando vai ficar frio mesmo, porque lembro do trecho nas Snowy Mountains na Austrália e já sei como é a mudança brusca de temperatura, afinal vamos rodar entre 3.000m e 5.000m, duvido que não vá fazer frio de verdade.

A noite, para terminar de acostumar com o novo fuso, fui dar um volta pelo bairro turístico Thamel. Turístico para você que adora lojas e mais lojas de bugingangas que escondem algumas boas lojas de artesanato (muita peça legal) e têxteis (se você procura por cashmere).

Procurando um boteco para fechar de leve, o primeiro que subo a escada (a maioria fica no segundo ou terceiro andar das construções), um inusitado aviso de proibido entrar de chinelo, em pleno século XXI esse tipo de preconceito com as pessoas de chinelo! Absurdo!

Continue comigo nessa viagem aqui.


03/11/17 strange days ride

Era para ser só mais uma viagem de moto, coisa simples, uma voltinha qualquer para manter o ritmo e a mão firme.

Tanto tampo longe de Hellen Dawson que eu mesmo duvidava se ainda sabia se era a 1a para baixo e as demais para cima e só alegria.

Um breve conversa de boteco no Outbeth em Nacala-a-Velha com os companheiros portugueses, que também fizeram de Moçambique sua segunda casa, me demoveram da idéia de uma volta em Portugal com um pulo em Marrocos.

⁃ Fantini, ouve lá, novembro faz chuvas na terrinha, não há de ser bom.

Apesar de não me importar muito com chuva, eu bem preferia uma viagem à seco dessa vez. A Voortrekker já fora de bom tamanho para provar para mim mesmo de que chuva não é problema.

Para quem já me conhece, sabe o tanto que fiquei triste depois de tanto planejamento e verificação de hotéis, condições de estrada, onde comer bacalhau ao punho e todas as amenidades necessárias para viajar de moto.

Abri o browser e digitei: “onde viajar em novembro?”. Eu particularmente não sei como será o mundo do futuro, uma coisa para mim é certa, computadores saberão mais do que nós e lá na miríade de dados da nuvem a resposta era clara: dez opções diferentes de países que em novembro valeriam uma visita.

Lendo cada explicação dos porquês, clima, temperatura, comida, o que fazer, até um guia de expressões locais, me deparo com o Nepal na lista de países recomendados.

Entre tantas velharias que o Imperador me ensinou a escutar do velho e bom rock ‘n’ roll, Cat Stevens sempre foi algo bacana e eu viajava na música Katmandu:

⁃ Katmandu, I’ll soon be touching you. And your strange, bewildering time, will hold me down.

Fiz mais duas pesquisas (velho, num futuro próximo o próprio smartphone vai dizer: olha, achei essa passagem e essa empresa de aluguel de motos já que quer ir ao Nepal), e por mais incrível que possa parecer, achei passagem aérea num preço bom e três empresas diferentes de aluguel de moto. No Nepal!

Depois de algumas trocas de e-mail, a empresa Parikrama Treks & Expedition me chamou a atenção pela organização, referências e cordialidade. Uma rápida confirmação na Skyscanner e voi-a-la, tudo no esquema.

⁃ Como assim, tudo no esquema, Fantini? Cadê hotel, qual trajeto?

⁃ Velho, eu pedi para dar uma volta no Nepal de moto e a turma da Parikrama me perguntou se eu sabia pilotar, que o resto era com eles.

Sensacional. Aliás mais que agradecido ao Sr Kumar Basnet e ao companheiro de viagem Sr Sujan Basnet que me trataram como príncipe. Eles até comentaram que se tivesse vindo em Setembro, tem uma excursão que fazem todo ano para o Base Camp Norte do Monte Everest que se alcança através do Tibet. Sim, se chega lá de moto. O famoso Base Camp Sul do lado do Nepal, só na caminhada assassina morro acima de 8 dias com paradas para aclimatação e carregando suas tralhas nas costas.

Mas lá estava eu sentando no aeroporto de Nampula / Moçambique, esperando o tempo passar, duas pernas de vôo depois lá estava eu no terminal C do aeroporto de Dubai / EAR, esperando o vôo para Kathmandu. Que choque cultural ver aquela mistura de gente da India, Casaquistão, Rússia e toda a sorte de leste europeu, mundo árabe e Ásia. Quando falo que viajar é melhor que comprar sofá, é por causa desses momentos.

Em Kathmandu, o visto se faz no próprio aeroporto. Há vários terminais para emitir o pedido de visto na hora, uns caixas para pagar a taxa de usd25,00 e depois só se apresentar no guichê de imigração com todos os comprovantes. Processo simples, único porém que uma centena de gringos fizeram a mesma pergunta que eu sobre onde ir em novembro e também devem escutar Cat Stevens. Duas horas de fila para um esquema que se gastou 1 min efetivo em cada etapa, foi muito.

A equipe da Parikrama já estava a minha espera e me levaram ao hotel. No dia seguinte já me trouxeram a moto para um test-ride em Kathmandu: “para acostumar com o tráfego”, segundo Sujan. Velho, lembre de todos os vídeos de trânsito nos países asiáticos que já recebeu. Agora imagine-se dentro do trânsito. Agora está aqui o carismático Fantini, vivendo isso na real. Surreal. Não tem sinal, não tem placa, não tem preferência e ainda assim funciona e flui. Só na prática para compreender como é possível.

Ponto para a moto, uma Royal Enfield Classic 500cc. Confortável, robusta, leve e boa de conduzir. Apesar de seu visual clássico oriundo de design da época da guerra mundial, o conjunto é bem ágil e responde bem aos comandos, o que tornou um pouco menos apavorante a experiência do trânsito caótico.

Depois da devida introdução à milenar arte de usar um veículo automotor no trânsito asiático, começou o devido passeio. Arredores de Kathmandu e depois a estrada no dia seguinte, conhecendo as cidades e a cultura ancestral do Nepal. Suas belas paisagens cercadas de montanhas da cordilheira do Himalaia, caminhões coloridos com suas buzinas musicais, estradas vicinais subindo e descendo serras infinitas, estradas sem pavimento, toda a sorte de gente andando a pé ou tocando búfalos e cabras. Sim, búfalos, a vaca é um animal sagrado e substituíram por búfalos.

⁃ Mas não é praticamente a mesma coisa, Fantini?

⁃ Eu também acho, mas você realmente vai discutir a cultura milenar dos caboclos?

Em Kathmandu conhecemos o centro antigo Hanuman-dhoka Durbar Square com templos e “capelas” em toda esquina e o complexo Buddhapari. Uma pena que o terremoto de 2015 danificou muita coisa e destruiu completamente dois templos.

De Kathmandu partimos para Bhaktapur para conhecer a antiga capital também cheia de templos. De lá terminamos o dia em Nagarkot. Logo na chegada de Nagarkot, havia uma trilha para um templo, 20 min de pedras, valas e raízes e ainda me acostumando com a moto, carregando bagagem, me demoveram da ideia de continuar. Provável que tenha perdido algo espetacular, mas era melhor do que comprar terreno.

De Nagarkot seguimos para Bandipur, não sem antes me perder do Sujan no meio do trânsito caótico na saída para a rodovia. É muita poeira e caminhões e ônibus. Afinal, a aventura só começa quando algo dá errado. Dois telefonemas para confirmar se estava na direção certa, encontrei Sujan e alcançamos nosso destino. Bandipur é muito simpática e criaram um calçadão central onde não passa carros e tem vários restaurantes com comida típica. Gostei de lá, me trouxe lembranças das cidades do interior de Minas Gerais.

E tome cerveja local Gorkha (excepcional) e o tira gosto Sadeko, que pode ter várias opções de base (amendoim, grão de soja ou outra semente crocante) numa mistureba de tomate, pepino, cebola, alho, gengibre, coentro, pimenta, tudo picadinho e um sumo de limão por cima. Velho, cura gripe, sinusite, olho seco, afta, unha encravada, bico de papagaio, acorda defunto, entre outras coisas. O único efeito colateral é que arranca o couro da língua de tão apimentado que é.

De Bandipur partimos para Pokhara. Pokhara é a segunda maior cidade do Nepal e um hub turístico famoso. Realmente a cidade tem uma gama completa de passeios: um lago para pegar canoas, o topo de Sarangkot com vista espetacular do conjunto Annapurna, paraglide, ultraleve, helicóptero, trekking até Base Camp do Annapurna (só 5 dias de caminhada, fácil), no topo do outro morro uma das 70 Peace Pagodas que o zen budismo japonês construiu mundo afora, lojas e mais lojas.

Inclusive as lojas foram providenciais. As luvas da época de trilha que tenho a quase 10 anos, que estava usando junto com a velha jaqueta nas voltas malucas fora do Brasil, finalmente cederam a tanta estrada e poeira. Acabei encontrando um par de luvas confortável por usd6,00. Acho que no Brasil, só pela marca, cobrariam uns R$100,00.

E naturalmente que outra coisa boa era a quantidade de botecos. Começamos em um na beira do lago, partimos para outro na rua principal, desse atravessamos a rua para outro que tinha música ao vivo (banda muito boa com uma mescla de rock mundial e local) e de lá fechamos num pub com palco e tudo com outra banda tocando rock clássico. Fino.

De Pokhara seguimos para Lumbini. Seria o trecho mais longo. Mais de 5h para fazer uns 200 e poucos km. Curvas e mais curvas numa estrada de serra infinita. Literalmente contornamos todas as montanhas possíveis. E lógico que rolou aquele caminho errado básico quase chegando. Dai só mais 1h para encontrar o hotel. Mas compensou demais, pedaço de estrada muito fino.

Lumbini é conhecida por ser a cidade onde nasceu Siddhartha Gautama, sim o Buddha. Para ser sincero, não tem nada na cidade, nem traços do reino que ele renunciou. O único passeio é um complexo de templos e monastérios budistas dentro de um parque fechado. O cansaço foi mais forte e preferi um boteco de leve.

De Lumbini seguimos para Chitwan, como estávamos na parte baixa do Nepal, dessa vez praticamente só retas no trecho e foi possível verificar a velocidade final da Royal Enfield alcançar a marca de 100km/h, onde a estabilidade fica bem comprometida e é possível sentir princípios de chimada. Além disso, a própria condição da estrada, trânsito, animais, pessoas e outros obstáculos na pista, indicavam a cautela de manter a máxima em 80km/h.

Em Chitwan há uma reserva nacional para proteção da floresta. Ponto alto para o passeio de canoa no rio com crocodilos descansando nas margens, alheios (ainda bem) à nossa presença, e o passeio de elefante floresta adentro. Bacana demais, inclusive com a oportunidade de ver 3 rinocerontes asiáticos ali de boa. Faltou o tigre, apesar de vários sinais de sua presença próxima.

De Chitwan partimos para Gorkha, cidade encravada no topo de outra montanha.

Neste trecho tivemos a pior estrada de toda a viagem. Um trecho de 50km do total de 160km estava completamente sem pavimento, o que não era bem o problema. O tenso foi o trânsito parado neste mesmo trecho em ambas as pistas. Foram 3h de muita poeira, ziguezagues infinitos, atravessando “acostamento”, buscando espaços inexistentes nos corredores. Com o cansaço, a tensão, o calor, consegui perder o equilíbrio em dois ziguezagues em baixa velocidade que apesar do tombo, não houve nenhum estrago, a não ser um espelho retrovisor.

Já o pobre Sujan não teve a mesma sorte e numa ultrapassagem entre a fila de carros e motos, pegou uma sequência de valas e caiu feio. Quebrou somente o farol, um empeno no pedal e uma leve luxação no tornozelo que não impediram de seguirmos viagem. Felizmente.

Principal atração em Gorkha é o antigo palácio do rei que unificou o Nepal, até então vários reinos separados, em um único reino de onde o país se originou.

⁃ Ah, Fantini, achei que a atração seria a fábrica da cerveja Gorkha que comentou.

⁃ Eu também, que decepção!

De Gorkha seguimos para Daman em outro topo de montanha. Assim pegamos mais um maravilhoso trecho de serra e estradas vicinais com suas curvas infinitas.

O único porém foi um desinfeliz de um policial que numa barreira improvisada pouco após sairmos de Gorkha, apesar de ter reduzido bem a velocidade, o desinfeliz me entra na frente da moto, de costas para mim, caminhando de boa. Na frenagem para evitar atropelar o boca aberta, os freios travaram e fui ao chão. Bom, só o susto e leve escoriação, com certeza teria sido mais grave se atropelasse o infeliz.

Em Daman, além de uma vista panorâmica da cordilheira do Himalaia, finalmente tivemos frio de verdade na viagem toda. Realmente novembro é uma boa época para visitar o Nepal, com temperaturas amenas na manhã e noite e dias ensolarados.

Daman foi a última cidade dessa peripécia asiática. Havia mais um destino, mas verificações prévias indicando falta de condições do trecho para transitarmos, nos obrigou a eliminar a opção da lista. Assim voltamos a Kathmandu em 25km de muita emoção, com direito àquele trânsito divertido de chegada de cidade, mas sem pavimento, sem placa, sem sinal. Se você acha a Marginal Tietê tenso, você ainda não conheceu esse trecho que faria Freddie Kruger se deliciar em opções para a hora do pesadelo. De qualquer maneira os 10 dias conduzindo a Royal Enfield nas mais diversas condições me deixou menos barriga verde e foi possível acompanhar o Sujan no trânsito caótico sem o perder de vista.

Nos dois dias que restaram da programação, aproveitei para fazer o Mountain Flight e pegar uma vista de cima do Himalaia, que espetáculo, e perambular pelas ruas do famoso bairro Thamel, lotado de lojas e mais lojas de bugingangas e lembranças. Fechamos a viagem com um boteco nesse bairro com mais uma banda tocando o bom e velho rock ‘n’ roll. Aí tira gosto de leve, algo similar ao nosso frango a passarinho, pego um pedaço de pimenta sem ver. Velho, até chorei. Ainda bem que tinha Gorkha.

z

Mais de 24h de viagem entre Moçambique e Nepal, atravessando 4 aeroportos, 3 fusos horários, 14 dias, 9 cidades, 952km, um zilhão de curvas fechadas. Nepal, território anexado. RFEIM / CdGP / DACS.


17/05/16 novas pontes

Para mais de ano, comentei aqui sobre a importância da construção de pontes nas nossas relações sociais. Alguém mais afobado vai dizer que isso é muito fácil em se tratando do Fantini. Não só veemente nego, como assumo que isso faz parte de uma decisão pessoal de transformação. Eu era um cara fechado e resolvi não ser mais e sei como não é fácil criar pontes.

Mas você já está aí encucado porque queria ler alguma aventura ou peripécia após longo tempo sem que o humilde aqui escrevesse uma frase sequer é dá de cara com esse papo furado de livro de auto-ajuda.

Pois bem, existe todo o mito de que andar de moto transforma a pessoa. Posso afirmar que te transforma numa pessoa mais suja depois de 1h debaixo de chuva com caminhões levantando água suja na Serra do Cafezal na Regis Bittencurt ou mais fedorenta após 1h no asfalto escaldante da região sul de minas quando entre 11:00 e 14:00 você está lá no meio da Fernão Dias.

Dizer que andar de moto vai te tornar uma pessoa mais legal, somente porque agora tira fotos de tirar o fôlego na estrada. Fotos são para ter boas lembranças, mesmo se for usar os filtros de algum aplicativo para melhorar as fotos de celular.

Foto de paisagem e comida. Duas vezes mais hipster.

Foto de paisagem e comida. Duas vezes mais hipster.


Depois desse tempo razoável sobre duas rodas (e desejo que ainda continue por muito mais tempo, afinal temos que alcançar o Ghan), descobri que ando de moto é para atravessar pontes e alcançar algum amigo, antigo ou novo, que o caminho da vida foi me apresentando para filar comida. Sério.

O famoso Ghan, reza a lenda que aprendou o sorriso interior em Cleveland

O famoso Ghan, reza a lenda que aprendou o sorriso interior em Cleveland

Em todas as viagens e passeios em que não estava caçando alguma estrada nova (onde normalmente estou sozinho), foi para visitar alguém e filar um rango, uma cama e uma ducha. Agora eu lhe pergunto: isso é realmente uma tremenda cara de pau que inventei ou porque tive a felicidade de encontrar pessoas que o santo bateu?

É assim vamos tocando a toada, fazendo aquilo que o ser humano como ser social sempre fez: se relacionar, receber e ser recebido, pavimentando pontes através do respeito, mas que para os habitantes das grandes cidades é a última novidade ou trend, porque essa vida corrida e isolada os fez esquecer disso.

Um agradecimento especial a todos os amigos que me receberam nos últimos dias: Guy Correa em Formiga MG, Tiago Conte em Conselheiro Lafaiete MG, Ghan e família em São José dos Campos SP e Agnelli Cordeiro em Curitiba PR. E naturalmente desculpas aos que não pude visitar neste mesmo período. Não faltarão oportunidades!

Com a benção daquele que tem a pena preta!

Com a benção daquele que tem a pena preta!


Foram 1 semana e alguns dias, 3 estados, 7 cidades, 10 rodovias, mais de 3.000km.


01/01/15 The voortrekker 06

Acordei por volta de 09:00 do dia 01/01 e depois da tarefa indelegável e de um bom banho, arrumei as tralhas e já estava de partida por volta de 11:00. Não vi o Chico e só mais tarde trocamos mensagens, mas fica aqui o abraço e agradecimento pela estadia.

Saída para a estrada N1

Saída para a estrada N1

A estrada N1 que liga Cape Town e Joanesburgo tem aproximadamente 1.400km e por mais que a oportunidade de um “iron butt” era interessante, estava meio tarde para tanto. E se dessa vez não teve chuva, a volta do calor quase de deserto tornou a estrada infindavelmente reta um desafio a mais.

Logo na saída de Cape Town, se atravessa uma região de montanhas

Logo na saída de Cape Town, se atravessa uma região de montanhas

Esse é um dos motivos pelos quais considero viajar de moto algo espiritual. Não se sabe o que teremos pela frente. Ok, tudo aqui era novidade, não é isso. Mesmo em estradas conhecidas, o clima, a estrada em si, que tipo de paisagem, tudo isso ocorre ao largo de nosso controle e exceto pelo destino que se aponta e pela hora que se decide partir, tudo o mais existe indiferente da nossa presença. E isso, em minha pequena opinião, é uma grande lição de humildade.

O kilométrico túnel sob as montanhas

O kilométrico túnel sob as montanhas

 

Região das vinículas

Região das vinículas

 

Outra vinícula. Engraçada que nenhuma tinha o nome para saber qual vinho produzia

Outra vinícula. Engraçada que nenhuma tinha o nome para saber qual vinho produzia

 

Um reta sem fim e o tempo quente e seco

Um reta sem fim e o tempo quente e seco

Aproveitando para fugir do calor por alguns instantes

Aproveitando para fugir do calor por alguns instantes

 

 

 

A preocupação é genuína, muito calor na estrada

A preocupação é genuína, muito calor na estrada

 

As nuvens esqueceram de fazer sombra e queriam somente aparecer na foto

As nuvens esqueceram de fazer sombra e queriam somente aparecer na foto

Paisagem agreste

Paisagem agreste

Mas com sua beleza própria

Mas com sua beleza própria

Já eram mais de 17:00 e o sol castigando como se fosse meio dia

Já eram mais de 17:00 e o sol castigando como se fosse meio dia

A única nuvem que teve pena deste humilde vivente

A única nuvem que teve pena deste humilde vivente

A sombra comprida sinalizava a chegada do pôr do sol

A sombra comprida sinalizava a chegada do pôr do sol

E assim tivemos um belo pôr do sol na estrada por volta das 19:30 e finalmente pousamos na cidade de Colesberg.

O primeiro pôr do sol do ano

O primeiro pôr do sol do ano

Pôr do sol na estrada é sempre algo mágico

Pôr do sol na estrada é sempre algo mágico

No dia 02/01, mais uma madrugada insone para assistir a aurora e de energia renovada alcançar Joanesburgo por volta de 11:00.

Saindo de Colesberg

Saindo de Colesberg

A caminho de Johanesburgo

A caminho de Johanesburgo

O prazer de ver uma aurora, não importa onde se está

O prazer de ver uma aurora, não importa onde se está

O majestoso sol iniciando um novo dia

O majestoso sol iniciando um novo dia

Novamente a paisagem agreste

Novamente a paisagem agreste

De volta à província de Gauteng

De volta à província de Gauteng

Após um providencial almoço, devolvi a moto para o pessoal da Motorrad Executive Rentals e descobri que fui um dos clientes que mais rodou em tão pouco tempo ao redor da África do Sul. Nada mal. Agora é pegar o ônibus de volta a Maputo, de lá o vôo para Nampula e finalmente a van até Nacala.

O pessoal não acreditou quando falei que ia rodar muito com a moto

O pessoal não acreditou quando falei que ia rodar muito com a moto

IMG_1235

Três rodovias nacionais, cinco cidades, sete províncias, dez dias, 4.266km. África do Sul, território anexado. RFEIM / CdGP / DACS.


29/12/14 The voortrekker 05

Ainda eram umas 14:00 do dia 28/12 quando cheguei em Cape Town e larguei as tralhas no Atlantic Point. Depois de um banho quente, aproveitei a boa localização do hostel e dei um pulo a pé em Cape Waterfront.

Me lembrou, guardadas as devidas proporções, o conceito de renovação do Cais das Docas em Belém do Pará. Enquanto lá aproveitaram um dos galpões para criar um misto de lojas e botecos, aqui pegaram praticamente todo o porto antigo (há um novo construído bem ao lado) e transformaram em atração turística para todos os gostos.

Shoppings, lojas de artesanato, restaurantes, mercado, botecos, prédios antigos restaurados, passeios de barco e helicóptero, tinha até pedinte e ripongas. Ah, os ripongas eram turistas também, nem me ofereceram artesanato.

Prédio do antigo posto de administração do porto

Prédio do antigo posto de administração do porto

No dia 29/12 resolvi rodar de moto até a Table Mountain e descobri que o topo mesmo só no bondinho (fila impossível) ou trilha (estava sem roupa adequada) e me contentei com a vista ali do meio do morro que já era surreal.

No pé da Table Moutain

No pé da Table Moutain

Para chegar no topo tinha que pegar o bonde

Para chegar no topo tinha que pegar o bonde

Lion's Head e Signal Hill

Lion’s Head e Signal Hill

Aproveitei para ir na Signal Hill, onde há um mirante bacana e de lá aprumei para Camps Bay, a praia badalada da cidade (não, não entrei no mar, rsrs). A noite foi reservada para a tal Long Street e seus botecos na companhia do povo do hostel.

Vistas de Cape Town

Vistas de Cape Town

Vistas do Estádio e Water Front a partir da Signal Hill

Vistas do Estádio e Water Front a partir da Signal Hill

Table Moutain a partir da Signal Hill

Table Moutain a partir da Signal Hill

Caminho alternativo para Camps Bay

Caminho alternativo para Camps Bay

 

Vistas de Camps Bay

Vistas de Camps Bay

 

Camps Bay

Camps Bay

 Dia 30/12, o Chico mais um casal de brasileiros chamaram para ir ao World of Birds em Hout Bay, na ida de ônibus vi aquela paisagem de filme com um estrada cortando o morro na beira do mar (já tinha passeio no dia seguinte). Fechamos com o pôr do sol em Camps Bay (fodástico) e um churrasco leve no hostel.

 

Paisagem de filme

Paisagem de filme

 

Relativa longa caminhada

Relativa longa caminhada

 

Travessia estelar

Travessia estelar

 

No ninho da coruja

No ninho da coruja

Qual é?!? Me deixa aqui de boa.

Qual é?!? Me deixa aqui de boa.

 

Pôr do sol em Camps Bay

Pôr do sol em Camps Bay

Acho que não dá para ver isso do sofá da sala

Acho que não dá para ver isso do sofá da sala

Dia 31/12 era a despedida, portanto tinha vários pontos a visitar. Comecei com a estrada entre Camps Bay e Hout Bay, só para ficar lá babando. Em seguida peguei o caminho para o Parque de Cape Point, onde fica o famigerado Cabo da Boa Esperança e na outra ponta o farol que separa os dois oceanos, Atlântico e Índico. Lugares fantásticos. O parque todo inclusive.

A caminho de Hout Bay a partir de Camps Bay

A caminho de Hout Bay a partir de Camps Bay

A caminho de Hout Bay

Vista de Hout Bay

Hout Bay

Noordhoek Beach

 

De repente estamos no interior de Minas de novo.

De repente estamos no interior de Minas de novo.

Simon's Town, já quase na boca do Parque de Cape Point

Simon’s Town, já quase na boca do Parque de Cape Point

Resolvi pegar uma rota alternativa

Resolvi pegar uma rota alternativa

 

Sim, você está vendo uma bateria anti navios

Sim, você está vendo uma bateria anti navios

Uma base da marinha

Uma base da marinha

De volta ao vórtice espaço temporal Minas Gerais

De volta ao vórtice espaço temporal Minas Gerais

Portão principal do parque

Portão principal do parque

Paisagem "continental" do parque

Paisagem “continental” do parque

Seguindo em direção ao farol

Seguindo em direção ao farol

 

Subindo um zilhão de degraus até o farol

Subindo um zilhão de degraus até o farol

E ainda falta mais degrau até o farol

E ainda falta mais degrau até o farol

 

Aí você descobre que o farol não funciona, o real é outro mais além.

Aí você descobre que o farol não funciona, o real é outro mais além.

O farol real lá no pé da encosta do outro lado

O farol real lá no pé da encosta do outro lado

Mas a vista compensou. Para se ter uma idéia, cheguei por aquela estrada no canto direito

Mas a vista compensou. Para se ter uma idéia, cheguei por aquela estrada no canto direito

Quando se tenta bancar um fotógrafo e tirar uma foto para postal

Quando se tenta bancar um fotógrafo e tirar uma foto para postal

A trilha segura até o farol real. Me lembrou algumas trilhas que fiz de moto em Macacos MG

A trilha segura até o farol real. Me lembrou algumas trilhas que fiz de moto em Macacos MG

O outro lado do farol antigo

O outro lado do farol antigo

Quase um "tilt shift" sem querer não fosse o dedo do fotógrafo

Quase um “tilt shift” sem querer não fosse o dedo do fotógrafo

Chega de farol e vamos para o Cabo da Boa Esperança

Chega de farol e vamos para o Cabo da Boa Esperança

Estradinha na beira do oceano. De leve.

Estradinha na beira do oceano. De leve.

Olha ele aí, Cabo da Boa Esperança

Olha ele aí, Cabo da Boa Esperança

E você achava que só ia vê-lo nos livros de geografia e história

E você achava que só ia vê-lo nos livros de geografia e história

Despedindo do parque de Cape Point, lugar fantástico

Despedindo do parque de Cape Point, lugar fantástico

 

Voltando para Camps Bay pela Chapman's Peak Road

Voltando para Camps Bay pela Chapman’s Peak Road

E você achava que só veria estrada assim em filme

E você achava que só veria estrada assim em filme

 

Olha aonde a estrada passa, surreal

Olha aonde a estrada passa, surreal

Hout Bay lá no fundo

Hout Bay lá no fundo

 Voltei pois tinha comprado um ticket do bonde da Table Mountain e não ia perder essa. De certa maneira, noves fora e tudo o mais, cheguei no final do dia para poder acompanhar o espetáculo do ultimo pôr do sol do ano, do topo da montanha e com o sol se pondo no mar. Eu nem tenho palavras.

Esperando o bondinho para subir a Table Moutain

Esperando o bondinho para subir a Table Moutain

 

Vista da Lion's Head e Signal Hill de dentro do bonde

Vista da Lion’s Head e Signal Hill de dentro do bonde

Maquete da Table Mountain

Maquete da Table Mountain

Vista de Cape Town a partir da Table Mountain

Vista de Cape Town a partir da Table Mountain

Vista de Camps Bay a partir da Table Mountain

Vista de Camps Bay a partir da Table Mountain

O último pôr do sol do ano

O último pôr do sol do ano

 

Fechando com chave de ouro

Fechando com chave de ouro

 Ainda cheguei a tempo de acompanhar o povo do hostel para a virada do ano. Eu já estava satisfeito e com a cabeça no retorno, mas já que o Chico conseguiu uma mesa de graça num boteco próximo, custava nada ir lá devolver o agrado pagando a bebida.

Como diria Maquiavel, “la virtù, la fortuna”.

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.


28/12/14 The voortrekker 04

Você acorda com aquele cheiro de mofo no quarto de quinta categoria e agradece por ao menos ter uma cama para descansar. São 04:00 da matina de 28/12 e depois de organizar as tralhas, você repara no tempo nublado e já espera outro dia debaixo de chuva.

Ao menos posso contar vantagem que passei frio na África do Sul e ninguém vai acreditar.

Saída de Port Elizabeth

Saída de Port Elizabeth

Seriam mais 770 km ainda na N2 entre Port Elizabeth e Cape Town (o destino final dessa empreitada). E em pouco tempo já estava encharcado novamente e concentrando todo o meu ki para suportar o frio sem tremedeira.

Para os mais puritanos não foram exatamente o ABS ou o controle de tração da BMW os principais responsáveis pela segurança nestes dois trechos debaixo de chuva, mas sim a manopla com aquecimento. Lembro do caboclo da Motorrad Executive Rentals sendo categórico de que eu não precisaria deste item.

Mas o real desconforto que a chuva trouxe foi impedir apreciar com mais calma a paisagem em volta, ouso dizer uma das estradas mais bonitas em que pilotei. Em vários pontos foi impossível parar para tirar mais fotos e se for para alguma vez reclamar de chuva na estrada, essa seria uma.

Um dos viadutos sobre as encostas do Parque Tsitsikamma

Um dos viadutos sobre as encostas do Parque Tsitsikamma

Reza a lenda que o povo faz bungee jumping nesse penhasco.

Reza a lenda que o povo faz bungee jumping nesse penhasco.

Aproveitando os poucos trechos em que a chuva deu trégua

Aproveitando os poucos trechos em que a chuva deu trégua

A grama do vizinho não é tão verde assim.

A grama do vizinho não é tão verde assim.

No pé da última serra.

No pé da última serra.

E o tempo ruim foi nos acompanhando até subir e atravessar a ultima serra para finalmente encontrar o poderoso céu azul nos últimos 50 km até Cape Town. Provavelmente não teria o mesmo sentimento de “chegar num lugar fantástico” não fosse a chuva nos últimos dois dias. Até porque bastou 15 min para ficar completamente seco.

Tchau chuva!

Tchau chuva!

Talvez isso explique porque vale a pena viajar de moto debaixo de chuva.

Talvez isso explique porque vale a pena viajar de moto debaixo de chuva.

A famigerada Table Mountain

A famigerada Table Mountain

Mandei uma mensagem para o Chico, o amigo de Belo Horizonte que resolveu passar um meio ano sabático em Cape Town. Ele acabou angariando uma vaga no hostel onde está trabalhando, o Atlantic Point Backpackers, e assim cancelei a reserva que havia feito em outro hostel.

Fantini, dessa vez você teve sorte. Nada. Até agora, toda a sorte de acontecimentos foram dominados e transformados em oportunidades.

Encontrando com o Chico

Encontrando com o Chico

Bom e Cape Town? Cape Town vale toda e qualquer artimanha que você crie para vir aqui visitar, seja meio ano sabático, seja aproveitar que já está por estas bandas. Recomendo.

Vistas do Water Front

Vistas do Water Front

Passeando pelo Water Front

Passeando pelo Water Front

A proposta de renovação do antigo porto foi muito interessante

A proposta de renovação do antigo porto foi muito interessante

Prédio do antigo posto de administração do porto

Prédio do antigo posto de administração do porto

Torre do relógio do porto

Torre do relógio do porto

Table Mountain com seu forro de nuvens

Table Mountain com seu forro de nuvens

Capitão Michael Jakson

Capitão Michael Jakson

Da série somente em Cape Town

Da série somente em Cape Town

Para fechar o dia

Para fechar o dia

IMG_1234

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.


27/12/14 The voortrekker 03

Havia chovido bem na noite anterior e o tempo amanheceu nublado no dia 27/12. O trecho de hoje entre Durban e Port Elizabeth seria o mais comprido, com praticamente 900 km e um clima mais ameno era bem-vindo. Novamente acordo 04:00 da matina e antes das 05:00 já estava na estrada N2 rumo ao meu destino.

Partindo pela manhã

Partindo pela manhã

Para minha ingrata surpresa começou a garoa fina, dai a pouco a chuva e finalmente chuva forte. Ao longo da viagem toda ficou variando entre nublado, chuva fina e chuva forte. O incauto já deve estar pensando aí o saco de parar toda hora para colocar e tirar a capa de chuva. E aí que lhe pergunto: “Que diabos de capa de chuva?!? Tipo a que está guardada lá em Vitória?”

Tempo nublado

Tempo nublado

De vez em quando a chuva dava uma trégua

De vez em quando a chuva dava uma trégua

E assim em cada parada para abastecer e comer alguma coisa, eu era a atração geral, com a menina da faxina secando o chão por onde eu caminhava. Quase ofereceram uma placa de “cuidado, piso escorregadio” para eu levar comigo.

E quando eu ia praguejando o frio úmido, na subida de uma serra desce aquela neblina fechada. Não sei se foi mais difícil adivinhar o que havia a frente ou segurar a tremedeira para não desequilibrar a moto. E para você que ao passar por isso, estaciona a moto, desiste e clama pelos deuses porque amarga sina, continuei um pouco mais somente para encontrar a visão do paraíso.

Paisagem insólita

Paisagem insólita

Sim, bem aqui no meio da África do Sul tinha aquilo que qualquer mineiro mais se alegra, um’paisage assim iguazin mina’geraes, sô. Iguazin dimai’da’conta. Trem’bão’dimais, ten’basi’naun!

Uai, sô, só’faltô us’cumpadi, u’forn’di’lenha i daquel’amarguinha. Ai’ia’cê assim, bão’dimai’da’conta.

África Gerais

África Gerais

Minas do Sul

Minas do Sul

A partir daí, recarregada a energia com aquela insólita paisagem, que se dane o trânsito caótico em três cidades de beira de estrada (igualzin Manhuaçu, Uai) e a chuva que nos acompanhou até pouco antes de chegar a Port Elizabeth por volta de 17:30. Pensei naquele banho quente e encontrar um boteco bacana.

Na boca de Port Elizabeth

Na boca de Port Elizabeth

Primeiro hotel que o GPS indicou não existia. O segundo lotado. Assim o terceiro, o quarto, o quinto, o quinto dos infernos, todos lotados. Tentei os hostels e nada. Que diabo de lugar é esse?!? Parece que a reforma da beira da praia deu um glamour e virou a febre do momento.

Nisso já era quase 19:00 e eu lá sem um pouso. Resolvi procurar nos hotéis mais distantes e lá fui seguindo o GPS que me entregou numa boca de fumo do capeta. Tenso. Procurei outros hostels nesse pedaço mais afastado e nada, nisso volta a chuva.

Confesso que fiquei preocupado e depois de mais algumas tentativas em vão, achei um motel tosco, chamado Hunter’s Retreat, numa estrada vicinal, não fazia a mínima idéia de onde estava e foi lá que fiquei já por volta de 21:00 todo encharcado.

Para minha alegria não tinha chuveiro, somente uma banheira tosca. Enchi ela de água quente e mergulhei no banho turco. A roupa não teve jeito, muito encharcada, torci do jeito que deu já sabendo que não secaria (ao menos tinha outra muda de calça jeans e camisa).

É meu amigo, vá jogar banco imobiliário no conforto de casa, viajar de moto é mais tenso que cair no Jardim Europa com 04 hotéis. Pensando bem, ao menos no banco imobiliário teria hotéis.

De Durban a Port Elizabeth

De Durban a Port Elizabeth

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.


26/12/14 The voortrekker 02

Johanesburgo e a África do Sul em geral são locais de disparidade social profunda e mesmo que Mandela tenha feito realizações importantes ao acabar com o apartheid, fica claro que ainda há um longo caminho entre o conforto de Sadton e a decadência do velho centro.

O importante é que a organização herdada dos ingleses é algo muito útil ao país e é visível o tanto que as coisas funcionam bem. Ponto para as estradas, tudo bem que peguei as três principais nessa aventura, N1, N2 e N3, mas as secundárias não deixam a desejar conforme relatos de outras pessoas.

Então vamos a estrada de vez? No dia 26/12, agradecido pela acolhida do Tinoco e família, acordei as 04:00, juntei as tralhas na moto e fui. O destino do dia seria a cidade de Durban através da N3, onde há a maior população indiana fora da Índia. A explicação? Na época os ingleses precisavam de trabalhadores nas fazendas de cana de açúcar e os africanos se recusaram, resultando numa das primeiras importações de mão de obra da história.

Saída para Durban

Saída para Durban

Diante do calor razoável, a paisagem ia se abrindo a minha frente. Confesso que levou algum tempo para cair a ficha: “estou pilotando pela África do Sul, cai alho!”. E o misto de crença e descrença, sonho e realidade, se materializavam em morros nunca vistos e um tapete de asfalto cinzento.

Morros nunca vistos até então

Morros nunca vistos até então

E nessa batida, lá ia eu em meio as caravanas de picapes, vans, ônibus, todos puxando um trailler ou carretinha. A turma aqui gosta mesmo dos esquemas aventura no meio do mato. Inclusive, não faltam lojas com esta finalidade. Prato cheio para quem curte um camping.

Depois que a ficha cai, ainda é surpreendente

Depois que a ficha cai, ainda é surpreendente

Pilotando na mão inglesa

Pilotando na mão inglesa

Meu tapete vermelho é o asfalto

Meu tapete vermelho é o asfalto

O GPS (assim como na Malásia, preferi o ajudante para indicar o caminho dentro das cidades) me entregou no centro de Durban e infelizmente não consegui um ponto para parar e tirar fotos dos prédios. Havia gente demais nas ruas, bem como carros e vans (o transporte público daqui) demais e estava perigoso. Uma pena, é uma arquitetura que merecia registro para ajudar a lembrança depois, paciência. Achei uma das praias sem querer e peguei um hambúrguer de lanche. O Dedé vai reclamar, mas não, não entrei no mar. Ainda precisava achar uma cama e assim encontrei o Smith’s Cottage num topo de morro. Lugar simpático e os donos muito atenciosos. Até ganhei uma lavagem grátis das roupas.

Na orla de Durban

Na orla de Durban

Aproveitei o resto de tempo livre (já tinha decidido por acordar cedo no dia seguinte e continuar viagem) para conhecer um ótimo restaurante italiano e um pub fino nos arredores.

Smith's Cottage

Smith’s Cottage

Da série em Durban e nunca mais

Da série em Durban e nunca mais

Boa também

Boa também

 Tinha saído por volta de 05:00 da manhã de Joanesburgo e alcancei Durban por volta de 15:00, uns 575 km depois.

De Johanesburgo a Durban pela N3

De Johanesburgo a Durban pela N3

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.


22/12/14 The voortrekker 01

Já era 30/12 quando uma das hóspedes do hostel em que estava em Cape Town viu minha tatuagem no braço esquerdo e perguntou o que significava. Embora ela não conhecesse “O Príncipe” de Nicolai Maquiavel, compreendeu o motivo da tatuagem indicar “La Virtù, La Fortuna”, ou a virtude e a sorte. Maquiavel, embora mal interpretado, é claro ao dizer que ao príncipe virtuoso não importa a sorte, ele dominará qualquer oportunidade.

E assim lá estava eu, vindo a trabalho em Moçambique, um país ainda em construção, não teve como retornar ao Brasil no período de Natal e Ano Novo. Mas como precisava carimbar o meu visto e assim sair do país, estava lá uma oportunidade a ser dominada.

Naturalmente que você já sabe que o Fantini planeja em detalhes toda e qualquer viagem de moto, tipo aproveito uma data, vejo quantos dias disponíveis, olho o mapa, quantos km e pronto.

Mas e o hotel?!?! E a moto?!? Detalhes. Para quem conhece a sina de mochileiro, sabe muito bem que não faltam albergues com uma cama disponível, mesmo no feriado mais badalado e mesmo para um destino muito procurado. Assumo que só fiz a reserva em Joanesburgo e Cape Town por insistência de um amigo e a contra gosto. Já as demais cidades do caminho, mantive o que sempre fiz, chego lá e procuro um lugar para dormir. Particularmente só tive dificuldade em Port Elizabeth.

A moto foi outra história e ponto para o pessoal da Motorrad Executive Rentals, não só atenderam meu pedido de última hora, como me entregaram uma moto em perfeitas condições. Uma BMW F700GS, que de início me senti desconfortável, mesmo sendo o modelo rebaixado de fábrica, por não conseguir apoiar bem os pés. Ao longo da viagem, se mostrou um conjunto excelente de mecânica e para o desespero do Nuanda, sim, recomendo a moto para todos, mas continua minha preferência por Srta Hellen Dawson.

A viagem começou mesmo no dia 22/12 em Nacala, pegando a van de madrugada para o vôo de ligação entre Nampula e Maputo que seria somente a tarde. Em Maputo peguei ônibus da Intercape para Joanesburgo (esse quase perdi por atraso do vôo e teimosia do taxista). No dia 23/12 de madrugada estava no centro velho de Joanesburgo e de lá um taxi para o Monte Fourways Hostel.

Descansei um pouco e peguei a moto ainda de manhã. Aproveitei para comprar uma rede elástica para prender a bagagem, pois o bauleto seria insuficiente (mesmo que tenha trago somente a mochila e uma bolsa pequena).

Companheira da vez

Companheira da vez

Em seguida encontrei com o colega da empresa que conheci em Nacala e por estas inexplicáveis razões, o santo bateu e assim fora convidado a passar o Natal com a família dele. Até que tem explicação, o caboclo é carioca, viveu em JNB devido ao emprego numa empresa de mísseis e casou com uma indiana nascida na África do Sul e hoje trabalha na mineração, improvável assim, o santo tem que bater mesmo.

Monte Casino - misto de casino, hotel e shopping

Monte Casino – misto de casino, hotel e shopping

Loja de motos em Johanesburgo

Loja de motos em Johanesburgo

Um das várias pilhas de estéril da minas de ouro em Johanesburgo

Um das várias pilhas de estéril das minas de ouro em Johanesburgo

Soccer City

Soccer City

No final, longe de casa, tive a oportunidade de passar um excelente Natal com a família do Tinoco, conhecendo um pouco da história dos indianos na África do Sul e experimentando os sabores típicos de seus temperos (ok, a língua continua queimada devido ao curry picante).

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.


01/02/14 desdobramentos de uma ida à padaria mais próxima

Basicamente já passou de um ano que Hellen Dawson tem sido minha companheira de desventuras, ao invés do malfadado sofá da sala. Na verdade foi em dezembro agora, mas entre outros compromissos e a agitada agenda de festejos de fim de ano, não foi possível dar a menina uma comemoração digna.

Semana passada observei que a padaria da esquina havia passado por uma reforma, bem, pensei com meus botões, vamos lá conferir. Assim sábado cedo, preparei toda a parafernália e aproveitando que Hellen Dawson finalmente tomara um banho (acho que tinha uns 2 ou 3 meses que não lavava), lá me fui em direção à padaria. Como Bilbo Baggins bradei: “I’m going on an adventure!”.

O ronco alto perturbou os vizinhos, o cheiro de gasolina se espalhou pelo ar e passados exatos dois quarteirões ou algo em torno de uns 300m, alcançava meu lendário destino. E para minha grata surpresa, a padaria agora tinha um buffet de café da manhã! Não preciso mais correr o risco de me deslocar para outro bairro onde havia uma padaria mais chique conforme dica de um amigo ortopedista.

Um pão francês com presunto e queijo e uma água de coco depois, acabara-se minha saga. Sim, completada esta árdua missão, me sentido um grande homem, olhei para Hellen Dawson e quase me emocionei! Que grande motociclista eu sou!

Mas aí a ficha caiu e me voltei a minha insignificância de motoqueiro. Sabe, daqueles que usam a moto. Lembrei da última ida ao Bad Service comentando sobre a visita ao Mosteiro Zen em Ibiruçu (comentaremos a respeito em seguida), o Marcelão me deu a dica de que em Buenos Aires havia também uma bela subida de morro onde se tinha uma boa vista da orla de Guarapari. Você não leu incorretamente, estamos falando daquele vórtice espaço temporal que existe no trevo de Guarapari na BR101 que te leva a Buenos Aires.

A 1a visita a Buenos Aires

A 1a visita a Buenos Aires

Resolvera ir pela orla mesmo, ao invés do já batido caminho passando pela Rodovia do Contorno. E lá fui eu já a pleno sol escaldante de 10:30 atravessando trânsito daqui de Jardim Camburi até a Segunda Ponte. E você achando que o trânsito no centro de Vitória seria o ápice, encontra a BR262 em manutenção e meia pista. Dessa vez foi tenso, afinal, além da temperatura ambiente, ainda havia a temperatura do motor rodando sem vento suficiente. Seria um problema, mas, bom, ao menos dois médicos que eu conheço, esse ortopedista e outro psiquiatra, indicam moto como um excelente tratamento para a maioria das doenças e eu não vou discutir com especialistas.

De volta a BR101 e lá vamos nós entre os caminhões e carros que insistem em rodar num sábado, se bem que o país não pode parar e nem todo mundo pode se dar o luxo de largar a visita à padaria para trás. Apesar do calor infernal, o verão trás cores novas à paisagem local e as várias fazendas que marginam a BR101 estavam exuberantes, assim como os conjuntos de morros estilo “pão de açúcar” típicos da região. A energia é fantástica e você compreende porque seus dois amigos médicos recomendam andar de moto.

Chego ao trevo onde se encontra o vórtice temporal e pego a estrada vicinal em direção a Buenos Aires. Que estrada bacana e que paisagem espetacular. Primeira parada em frente a Pedra do Elefante, achei fantástico. E voltamos a estrada vicinal e lá vamos subindo morro. Não é nenhuma serra assassina, mas tem lá seu charme. Fiquei encucado, afinal onde estava a tal vista da orla de Guarapari. Que se dane, tudo em volta já compensava, paisagem muito bacana.

Dentro do vórtice

Dentro do vórtice

Pedra do Elefante

Pedra do Elefante

E assim cheguei na cidade. E vejo uma placa indicando o caminho para uma cachoeira. Nesse calor, boa pedida. Enveredei mais uns 3km de estrada de terra batida de leve e cheguei na trilha que levava até a cachoeira.

já que a moto estava limpa

já que a moto estava limpa

logo ali

logo ali

A cachoeira

A cachoeira

Depois de ficar ali somente apreciando a natureza e o som revigorante da queda d’água e lembrar de outras aventuras nas entranhas de Minas visitando cachoeiras desconhecidas, tive que voltar a realidade e caçar algum lugar para comer porque já era quase 13:00. Mas e o café da manhã, Fantini? Bom, ficou lá na padaria e depois de uns 70km de estrada, eu mereço almoçar, também sou filho de Deus. Lembrei que havia um restaurante bacana um pouco antes da cidade e me encaminhei para lá. Como sábado, domingo e feriado é dia de almoçar tira-gosto conforme o sábio conselho de Dr. Hugo, fiquei na porção mesmo. Recomendo demais o local.

sábado, domingo e feriado é dia de almoçar tira-gosto

sábado, domingo e feriado é dia de almoçar tira-gosto

Em seguida peguei o caminho de volta e para minha grata surpresa fui presenteado com a vista da orla de Guarapari, linda. Pena que não dava parar por falta de acostamento e ser uma descida. Bom, isso significa que se você quiser ver também, esqueça as fotos dos outros, pare de comer essa coxinha aí na padaria e venha ver com seus próprios olhos.