Prudens quid pluma niger secundum

Arquivo por Autor

19/10/13 do outro lado do mundo 1o movimento

Não importa o quanto de vocês já ouviu música clássica. Eu gosto. Entre as que sempre me levam a outros lugares, Scheherazade de Nikolai Rimsky-Korsakov desperta algo de aventura. Todas as vezes que escuto o 1o movimento ou “O mar e o barco de Sinbad” (para os íntimos), não há como não imaginar a pequena nau enfrentando um mar revolto e tenebrosos monstros mitológicos.

A essa altura da minha viagem a serviço ao outro lado do mundo, mais precisamente Malásia, passados 45 dias mergulhado em outra cultura e outra realidade, não se esgotavam as fontes de algo novo e inusitado, um cheiro pela manhã, um tempero na comida ou uma simples cor no horizonte. Mas ainda assim faltava alguma coisa.

Apreciando o nascer do sol na rodoviária em Lumut

Apreciando o nascer do sol na rodoviária em Lumut

Entre uma e outra história de pescador, ou melhor motoqueiro, contadas pelo velho rabugento, sempre me fascinou a de quando ele esteve na Índia e andou de moto por lá. Ficava tentando fitar como seria essa sensação, que exóticas paragens? Haveria o sol de nascer diferente? E lá estava eu, na Ásia, não exatamente na Índia, mas como parte da população da Malásia é indiana, bem, sim, podemos dizer que estávamos bem perto.

Templo Hindu em Lumut

Templo Hindu em Lumut

Cheguei na capital, Kuala Lumpur (minha base ficava em Lumut, 200km ao noroeste), de ônibus e providenciei um taxi para me levar no local onde pretendia alugar uma moto. O taxista chinês me perguntou o porque do colete preto e respondi que ia alugar uma moto para viajar pelo país dele, mas que gostaria de carregar as cores do clã. Ele agradeceu a minha decisão, os orientais realmente entendem o que é honra.

A equipe da Malaysian Motorcycle Getaways que já vinha me atendendo muito bem por e-mail, me recebeu com honras por ser o primeiro cliente brasileiro. Me perguntaram qual era meu plano de trajeto uma vez que decidira pelo “self tour”. Bem, não sou muito de planejar muito quando se trata de viajar de moto e apontei no mapa que havia lá que simplesmente gostaria de rodar o país todo. Riram e me indicaram algumas cidades e estradas que valeriam a pena visitar.

O 1o cliente brasileiro

O 1o cliente brasileiro

Mas foram categóricos, essa época do ano era a estação das chuvas e o tempo hoje estava bem carregado. Até me ofereceram uma jaqueta impermeável. Agradeci, mas declinei.

A companheira de viagem e minha farta bagagem

A companheira de viagem e minha farta bagagem

E assim como Sinbad lançou sua embarcação mar adentro, lá fui atravessando a cidade em direção a estrada. O destino final seria a cidade de Malacca ao sul (onde houve colonização portuguesa), mas por indicação do pessoal da MMG, iria por um estrada vicinal, cortando em arco para o leste. Iria, afinal o mal tempo vinha carregado e não foi mais do que 20 minutos de trânsito pesado, consegui por sorte abrigo num posto de gasolina abandonado. Foi quase 1h ali aguardando a tempestade juntamente com outros motoqueiros locais expondo suas calejadas scooters.

Finalmente a estrada, linda, suave e afiada, ainda um trecho da rodovia principal, estava tão enebriado por estar novamente pilotando após mais de mês longe de uma moto que nem me apercebi da chuva fina, que foi engrossando e agora já era forte. Lembrei de Sinbad e pensei que se dane. Continuei acelerando enquanto via outros viajantes a desistir do mesmo intento. Não eu, aquilo para mim era só mais um tempero.

Avancei pela saída para a estrada vicinal para o leste, a chuva diminuiu. A estrada, apesar de mais simples agora, continuava com uma asfalto de nos matar de inveja ao lembrar como se encontram as principais rodovias no Brasil. Sério, estava num estrada vicinal que liga cidades pequenas e não encontrei um buraco sequer! Mesmo quando a noite caiu e a chuva fina continuou a me acompanhar e a cada curva esperava algo de estranho e estrangeiro que surgiria para me tragar dali.

Então finalmente eu percebi o que realmente me esperava em cada curva escura. A questão é que eu é que era o estranho e o estrangeiro ali e mesmo assim a estrada me recebia de bom grado. O medo só existia em mim. Cheguei a Malacca após uma nova pausa para esperar uma chuva mais forte que surgiu logo após parar para abastecer. Bem, já era avançada a noite, para que arriscar? (sim atitudes sensatas salvam mais que parafernália).

Vistas de Malacca ou Melaka 01

Vistas de Malacca ou Melaka 01

Vistas de Malacca ou Melaka 02

Vistas de Malacca ou Melaka 02

Vistas de Malacca ou Melaka 03

Vistas de Malacca ou Melaka 03

Vistas de Malacca ou Melaka 04

Vistas de Malacca ou Melaka 04

A bela cidade se desnudou no dia seguinte. Suas esquinas portuguesas tomadas agora pelo profundo oriente (talvez simplesmente retomadas a suas origens) e eu ali tentando compreender a complexidade daquilo tudo. Tinha a idéia de subir para o norte do país pela costa leste. Mas acordara tarde (passei a madrugada secando a roupa) e decidi por um trajeto mais curto, subiria de volta a Lumut (a uns 400km dali), passando por alguns pontos de interesse. Até porque a chuva do dia anterior deu lugar ao radiante sol, que aqui, estando a Malásia próxima da linha do Equador, castiga mais que na caatinga de Lampião.

Divisa entre as províncias de Selangor e Perak

Divisa entre as províncias de Selangor e Perak

Kellie's Castle

Kellie’s Castle

Entre os pontos visitados, o maior destaque fica sem sombra de dúvidas para Batu Caves, o templo Hindu cravado num morro, aproveitando um complexo de grutas, nos arredores de Kuala Lumpur. Sem palavras para descrever. E de outro mundo, ou melhor de outro lado do mundo.

Batu Caves 01

Batu Caves 01

Batu Caves 02

Batu Caves 02

Batu Caves 03

Batu Caves 03

Batu Caves 04

Batu Caves 04

Trajeto em 19/10/13

Trajeto em 19/10/13

Trajeto em 20/10/13

Trajeto em 20/10/13

Anúncios

06/10/13 Qualquer moto te leva a qualquer lugar que você queira ir

Estando a trabalho do outro lado do mundo tem lá suas vantagens. Você tem a oportunidade de conhecer outras culturas, outras pessoas. Tudo é novidade. Mesmo o trabalho, que não é muito diferente do que já se fazia no Brasil, ganha uma outra dimensão e fica divertido. Tudo bem que você preferia estar de férias, mas no nosso caso havia bastante fins de semana para rodopiar por aí.

welcome to malaysia

welcome to malaysia

Som insólito na vitrola: 

 

Tinha rodado de carro em boa parte da província em que me encontrava, Perak, que fica no noroeste da Malásia. Inclusive alcançado a fronteira com a Tailândia que decidi não atravessar (por mais simples que podia ser o processo) pelo simples fato de que era um domingo e ainda tinha alguns km para rodar de volta a base.

Fronteira Malasia Tailandia

Fronteira Malasia Tailandia

Mesmo no calor escaldante de aproximadamente 35oC a média, andar no conforto do ar condicionado ouvindo as rádios locais não tinha lá muita graça. É meu caro, a gente que é mal acostumado com vento no peito e cheiro de asfalto se contenta (e até se diverte) com outras coisas bem menos confortáveis, como um enxame de mosquitos na cara, a chuva fora de hora ou o cheiro de bosta de vaca no acostamento. Como isso faz falta.

Pegamos a balsa em Lumut (a cidade onde estamos) em direção à ilha de Pangkor. Uns 40 minutos atravessando parte do Estreito de Malacca (uma das principais rotas marítimas da região) até chegar na simpática ilha de pescadores.

Pulau Pangkor

Pulau Pangkor

Desembarcamos e já somos cercados por guias, taxistas (que na verdade dirigem uma van rosa, marca registrada local), vendedores ambulantes, crianças curiosas e um suspeito par de moleques:

– Hello, boss, do you wanna a ride?

– Excuse me?

– A ride, boss, to rent a bike.

Naturalmente que não esperávamos nada mais que uma monareta caindo aos pedaços e fomos surpreendidos por uma scooter Yamaha que estava muito bem conservada. Um ou outro arranhando provavelmente causado por um turista menos desavisado.  Testamos os controles, procurando em vão o pedal de câmbio, era um modelo sequencial.

– Do you know how to ride, boss?

– Isn`t like a bicycle?

– Take care boss.

Nisso saímos da entrada do píer, procurando o equilíbrio entre o trânsito relativamente pesado de vans rosa e scooters de todos os tamanhos e gostos. Fora a melhor parte, a mão aqui é inglesa. Então já se pode imaginar a confusão que se cria a cada esquina ou cruzamento. Mas a medida em que íamos avançando sobre a pista estreita que contorna a ilha, a paisagem a volta nos fazia esquecer de qualquer dificuldade. Até mesmo a de que estávamos de bermuda e camiseta, sem nenhuma proteção contra o sol que já estava a pino.

Monareta

Monareta

Enquanto calcinávamos nossa pele sob o sol de meio dia (ainda acrescentamos que aqui é próximo da Linha do Equador), curtíamos cada milímetro do asfalto quente. E nessa empreitada, igual criança, demos umas três voltas pelo contorno da ilha. Não importa se a paisagem se repetia, a cada volta aparecia algum detalhe a mais. Uma árvore que não tinha prestado atenção antes, uma vista de outro ângulo da mesma praia, uma ruela estreita que nos levava para outro canto e até um avião levantando vôo bem ali a nossa frente (uma em um milhão).

Lugar mais ou menos

Lugar mais ou menos

Vista mais ou menos

Vista mais ou menos

Asfalto mais ou menos

Asfalto mais ou menos

Território Anexado

Território Anexado

Curva leve

Curva leve

Não gostei da curva

Não gostei da curva

IMG_3064

IMG_3090

IMG_3110

IMG_3129

IMG_3174

IMG_3221

IMG_3379

IMG_3393

IMG_3403

IMG_3463

IMG_3508

E para fechar com chave de ouro, o incrível monumento do sofá velho. Provavelmente uma homenagem a aqueles que insistem em ver a vida passar pela janela sentados no sofá da sala.

O insólito monumento do sofá velho

O insólito monumento do sofá velho

Troque o sofá por uma moto. Qualquer moto te leva a qualquer lugar que você queira ir.


22/06/13 o caboclo chegou aos cinquenta, vamos ver se alcançamos ele

Sábado por volta de 10:00 da manhã. Encontro o Maia em uma cidadela minúscula do Rio de Janeiro, Casimiro de Abreu, eu acho. Um posto qualquer para trocar um idéia enquanto tomamos um café. Afinal, se tem gente que vai na padaria ali da esquina, nós também podemos!
Ele já vinha de ontem, rodado a noite (vai gostar) e eu tinha saído de Vitória ES no início do dia. Estávamos lá discutindo sobre as últimas peripécias e acabo me lembrando que fim de semana passado acabara de chegar de um passeio de 15 dias e já estava novamente na estrada para dar um pulo ali em São José dos Campos SP. Cansativo? Talvez, mas era por um nobre motivo.
Daí a pouco já estávamos comendo asfalto novamente atravessando a BR101 para alcançar a cidade maravilhosa através da Ponte Rio Niterói. Era seguir um pedaço da Avenida Brasil e alcançar a Rodovia Presidente Dutra. Rodar já é bom por si só, indiferente da estrada ou destino (quando se tem algum) e acaba ficando ainda mais divertido na companhia de amigos.
Principalmente subindo a Serra das Araras quando a moto de um distinto aí sai arrastando plataforma em 11 de cada 10 curvas que haviam. Sério, teve uma hora que olhei para trás e não acreditava na quantidade de fagulha de aço sendo lixado que uma moto pode gerar. Segundo ele estava fazendo de propósito.
Mas também sorriu de uma orelha a outra quando comentei que pegaríamos a Rodovia Carvalho Pinto pouco antes de chegar ao destino. Desde que entramos na Dutra estava reclamando por não saber onde estão os radares e que o motor estava esquentando e que precisa esticar, mas estava com medo de levar multa. Esses caboclos de “speed” são foda.
Como a Carvalho Pinto não tem muito trânsito e já sabia a localização dos pardais, somente liguei o pisca alerta. Pronto, foi o suficiente para o “até então pacato professor universitário” despejar potência na roda e poder se aproximar da experiência de pilotar um Supermarine Spitfire dividindo o céu de guerra com um Messerschmitt BF109. Treme tudo, o olho lagrimeja, a garganta seca, o asfalto ganha outra dimensão.
Por volta de 16:00 e alguma coisa alcançamos o portão da casa do velho rabugento. Sim, rodamos esses quase 1.000km só para dar um abraço no caboclo que neste exato momento completou 50 anos sobre duas rodas. Não precisa dizer mais nada a não ser: “vamos ver se alcançamos ele”.

– Não falei, Maia, 16:00 a gente chegava aqui? Devia ter apostado hein?
– Olha a desfaçatez da criatura! São 16:40, não 16:00! Apostar o que?
– Bom, a gente perdeu muito tempo na Serra das Araras, melhor treinar as curvas.

Bom, o velho rabugento já tinha ido para o boteco lá onde estava comemorando junto com o outros caboclos que conheço de outros carnavais. Mas também foi bacana finalmente ver o focinho feio de outros que até então só havia trocado mensagens pelos fóruns da vida. Uma pena que como alguns eram de São Paulo e haviam chegado mais cedo, já estavam de partida.

E assim ficamos lá curtindo os amigos e o frio. Ok, o problema foi que os dois manés aqui passaram no hotel e voltaram sem jaqueta. Quando chegou por volta de sei lá qual hora da madrugada, velho, foi tenso.
Ok, Fantini, mas quem é esse tal de velho rabugento aí? Ah! Deixa ele mesmo se apresentar.

50 anos de motociclismo do Ghan

Se você não ficou com vontade de fazer o mesmo e algum dia alcançar a mesma quantidade de tempo sobre duas rodas, bom, vende sua moto e vai procurar outro passatempo, tipo tricô.
No domingo de manhã ainda pegamos uma rebarba do café na oficina do João da Triumph, lá na Motos do Porão. Sem mencionar a pessoa fantástica que o caboclo é, o lugar é um Museu do Louvre para quem quer saber o que é moto. E naturalmente recepção digna de rei. Bão dimais!
Partimos para Sampa em seguida, ia deixar o Maia pernoitar na casa do Casal Tavares enquanto tive que atender uma intimação judicial.
Na segunda estava de volta a Vitória ES e tinha ao menos uma certeza: 50 anos, agora nós temos uma meta.


14/06/13 hellen in the sky with diamonds

Desci a Serra de Ouro Branco com a alma renovada e certo de que Hellen Dawson não se acanharia jamais para qualquer estrada que surgisse em nosso caminho. E assim fomos em direção a Diamantina MG através da BR040. Esse era um destino planejado a mais tempo e adiado por várias vezes porque o objetivo era alcançá-lo na companhia do companheiro Ajota, desde a vez que descemos de Brasília DF a Belo Horizonte MG lá em idos de 2009. Infelizmente não pude deixar passar essa oportunidade de tempo.
Para maioria que não entende ou simplesmente não faz a mínima ideia do que possa ser um ritual de passagem, não vai conseguir compreender porque se antes de subir a serra ainda titubeava com o novo fôlego de Hellen Dawson após as regulagens feitas com o pessoal da Garage Henn, agora tinha total confiança e conseguia sentir as reações da moto com muito mais precisão. Acredito que todos devem encontrar seu próprio rito e atravessar essa linha invisível.

Hora de ligar a vitrola!

E assim, divagando sobre essas estranhezas de si mesmo, vamos alcançando a saída para Curvelo MG e apontando a direção final para nosso destino. Naturalmente aproveitando alguns trechos de reta sem fim e sem trânsito para sentir que uma moto custom realmente não foi feita para andar em alta velocidade. Mas também fiquei bem próximo da sensação de estar num velho Supermarine Spitfire dividindo o céu de guerra com um Messerschmitt BF109.

altos planos

altos planos

Pegamos então um trecho da BR135 para em seguida avançar sobre a BR259 e finalmente fechar com a BR367. Enquanto isso ia raciocinando o quanto era engraçado não lembrar de nenhuma paisagem daquela de outros carnavais, fruto de viajar de carro ou ônibus. E isso é o interessante da viagem de moto, mesmo com todos os, digamos, revezes, passar numa estrada e guardar toda ela em sua memória, seus cheiros, cores, poeira e insetos que vão grudando na viseira, compensam o, digamos, desconforto.

então diamantina

então diamantina

Então Diamantina MG. Rodei um pouco pela cidade, ao menos onde o calçamento e ladeiras permitiram levar Hellen Dawson com segurança até parar para arrumar um local para dormir. “Ah! Fantini, porque não marcou antes aquele hotel com hidromassagem?” Porque aí não teria a oportunidade de conseguir um Hostel incrivelmente barato, confortável e com uma vista fantástica.

vista a perder de vista

vista a perder de vista

Diferente da época do carnaval do inferno, a cidade estava tranquila e sua paisagem bucólica de cidade histórica brigava praticamente de igual para igual com Ouro Preto MG, a não ser pelo fato de que os botecos daqui não tinham a mesma quantidade de estudantes ripongas que se encontra lá. Exceto se eu tenha parado nos botecos errados.

não adianta ter igreja, no carnaval o povo quer abraçar o capeta!

não adianta ter igreja, no carnaval o povo quer abraçar o capeta!

No sábado resolvi conhecer o tal Parque Estadual do Rio Preto que fica na cidade próxima de São Gonçalo do Rio Preto MG. O folheto já deixava claro: 15km de estrada de terra. Meus olhos até brilharam e Hellen Dawson já estava empoeirada mesmo.

sujeira leve

sujeira leve

a caminho do parque

a caminho do parque

quase na portaria

quase na portaria

Depois de 15km de paisagem de pequenas chácaras e pontes estreitas, chegaríamos na entrada do parque. O vigia da portaria me deu as boas vindas e me explicou rapidamente sobre o parque. Teria que seguir mais 5km onde encontraria a sede e o guia para comentar sobre mais detalhes. Eu havia achado o vigia meio desconfortável comigo e fiquei encucado com aquilo. Será que o cara não foi com minha cara e…
De repente me vi numa descida íngrime e vertiginosa que terminava numa curva fechada. Em seguida um bocado de camelos e aí areia fofa, mais camelos. Não satisfeito, sobe um barranco, agora sobe outro em curva, sobe mais, desce, atravessa uma ponte velha, mais uma. Vou ser sincero, não foi fácil e agora entendia o olhar carrancudo do vigia, não estava acreditando que eu ia mesmo passar nessa estradinha equilibrando 350kg entre duas rodas. Mas compensou, o parque é muito bonito. Pena que como cheguei tarde, perdi os passeios a pé guiados pelas trilhas e tive que me contentar com um almoço quilombola. Uma carne de lata típica de interior de Minas. Fino!

valeu a pena

valeu a pena

Como não inventaram teleporte ainda, aproveitei a energia do almoço para cortar de volta aquela estradinha através do parque. Perigosa, uma pena, tive que concentrar muito mais na pista do que apreciar a paisagem. Paciência. Aproveitei ainda mais um pouco da vida noturna bucólica e no domingo cedo apontei para Vitória ES.
A parte ruim depois que se roda relativamente muito pelas mesmas estradas é que vai se perdendo aquele gosto amargo da falta de direção e as angustiantes dúvidas sobre qual saída pegar neste ou naquele entroncamento. E naturalmente encher os olhos com paragens exóticas ainda desconhecidas. E assim estávamos na BR259, atravessando a região do Serro MG. Agora entendi porque senti tanto frio nos outros trechos que passei nos últimos quinze dias.
Não havia uma nova paisagem para se embasbacar e assim o frio chamava toda a atenção. Não era o caso agora. Mesmo os malditos desvios por dentro de cidadezinhas minúsculas com ruas de calçamento de fazer bater o fim de curso da suspensão, ou quase seguir numa rodovia errada por ter se confundido no meio das ruelas sem placa de outra cidadela, se perder em curvas jamais vistas até então, tudo isso prendia toda a atenção e nem liguei para o tanto que devo ter congelado atravessando serração e neblina.
E eventualmente tivemos uma tarefa indelegável que se tornou inadiável pouco após passar por Guanhães MG. Tem gente que leva uma bagulhada de tralhas em viagens: capa de chuva, luva para verão, luva para inverno, kit de ferramentas (que as vezes não sabe usar), vacina de pneu, bússola, rádio comunicador, pneu reserva. Mas esquece do essencial papel higiênico! Não que eu tenha que ter parado no acostamento, surgiu um posto providencial, mas quem disse que tinha papel no maldito banheiro? Cai alho! Então a única coisa que realmente não pode faltar no seu alforje é um rolo do velho e bom papel higiênico.
Daí por diante, a viagem ficou mais leve, o dia já avançava e após Governador Valadares tivemos a grata companhia do Rio Doce logo ali na beira da estrada. Pouco antes de atravessar a divisa entre Minas Gerais e Espírito Santo, uma última parada em Resplendor MG. Pouco mais de 200km e chegaríamos em Vitória ES pela BR101.

divisa Minas - Espírito Santo

divisa Minas – Espírito Santo

Tivemos então desde o início em 30/05 até o final em 16/06: 4 estados, 18 dias, 25 rodovias, 60 horas de viagem, 42 cidades, 4.876km, todos os amigos, irmãos e família que visitei. Não precisou mais nada. Se bem que mais uns dias de folga dava para esticar um pouco mais. Deixemos para uma próxima oportunidade, enquanto houver amigos, moto e estradas que ainda não conhecemos, vamos tocando.

Vitória ES, Ibatiba ES, Abre Campo MG, Caeté MG, Belo Horizonte MG, Bom Despacho MG, Araxá MG, Santa Luciana MG, Uberlândia MG, Araguari MG, Catalão GO, Três Ranchos GO, Ipameri GO, Caldas Novas GO, Goiânia GO, Itumbiara GO, Uberlândia MG, Uberaba MG, Ribeirão Preto SP, Campinas SP, São José dos Campos SP, São Paulo SP, Campinas SP, São Paulo SP, Extrema MG, Pouso Alegre MG, Três Corações MG, Belo Horizonte MG, Itaúna MG, Itabirito MG, Ouro Preto MG, Ouro Branco MG, Sete Lagoas MG, Curvelo MG, Gouveia MG, Diamantina MG, São Gonçalo do Rio Preto MG, Diamantina MG, Presidente Kubitschek MG, Serro MG, Guanhães MG, Governador Valadares MG, Resplendor MG, Aimorés MG, Baixo Guandu ES, Colatina ES, João Neiva ES, Vitóra ES.

BR101, BR262, BR381, BR262, BR452, BR050, GO330, GO213, BR153, BR365, BR050, Rodovia Anhanguera, Rodovia Dom Pedro I, Rodovia Presidente Dutra, Rodovia dos Bandeirantes, Rodovia Fernão Dias, BR381, MG431, BR356, MG129, MG443, BR040, BR135, BR259, BR367, MG214, BR367, BR259, Rodovia Pedro Nolasco, BR101.


13/06/13 renascimento

Ainda me restavam quatro preciosos dias de viagem e tendo conseguido organizar uma visita a praticamente todo mundo e passeado por estradas praticamente conhecidas, era momento de encontrar comigo mesmo e em seguida partir para o desconhecido logo ali após uma encruzilhada. Desculpe, mas depois que se descobre que “uma viagem só vale a pena quando ela te transforma”, acabamos por buscar novas fornalhas e malearmos nossa alma novamente.

Porque não colocar uma música na vitrola?

Mas antes era prudente pedir a benção (que se mostrou necessária em seguida) daquele que tem a pena preta. E assim, saindo de Itaúna MG, rumei para a entrada de Ouro Preto MG. A velha MG431 que liga Itaúna MG com a BR381 Fernão Dias ficava cada minuto mais distante a medida em que avançava sobre a BR356. Naturalmente que tivemos o velho e bom banho de lama de mineração dos caminhões que trafegam na região de Itabirito MG, nos ensina a sermos humildes.
No trevo entre Ouro Preto MG e Mariana MG pego direção desta última, mas apenas para descer um pequeno trecho de serra até o bairro de Bauxita (não é uma serra do rio do rastro mas tem lá suas traiçoeiras curvas) e de lá pegar a bipolar MG129 ou MG443, que já que não sabe qual sigla deve ter, carinhosamente mantemos sua nomenclatura original de Estrada Real. Um trecho de apenas 32km da estrada completa entre Ouro Preto MG e Ouro Branco MG.

passeio na estrada real com Broto Jr, bons tempos

passeio na estrada real com Broto Jr, bons tempos

Era ainda idos de 2009 quando passei aqui a primeira vez com a saudosa dona stefânia e não tendo culhões para subir para Lavras Novas MG (tem um trevo mais ou menos na metade do trecho), acabei resolvendo subir por um outro trevo, mais a frente que desembocaria num conjunto de antenas.
Imaginei, uai, antenas, deve ser um topo de morro legal com um vista boa e lá me enfiei, moto e tudo. O pedaço de asfalto não durou mais que 200m e me vi enfrentando pela primeira vez uma estrada de terra com uma moto custom. Muita gente teria torcido o nariz, mas lembrei do que significava o DACS para o clã e me embrenhei vereda adentro.

serra de ouro branco

serra de ouro branco

Eventualmente, após pegar um entroncamento errado aqui, outro ali, rodar meio que perdido e lembrando que não tinha tanto combustível assim, consegui acertar o caminho serra acima. Uma estradinha de terra para matar saudade de dorothéia, companheira dos tempos de trilha, com aqueles belos rasgos de enchurrada que insistiam em dividir a atenção com o horizonte mágico a minha volta.

vai dizer que não sentiria saudades também?

vai dizer que não sentiria saudades também?

Praticamente um ano depois, eu acho, levei Nuanda lá também, ele ainda tinha a XT e ficou embasbacado de como eu conseguia subir naquela estrada com dona stefânia. Mas ao longo do caminho ele entendeu de onde tirava a motivação necessária para ir cada metro adiante. No topo do morro, apreciando a alvorada e além, decidimos oficializar que a Divisão de Ações Ciclísticas Sujas do Clã do Gallo Preto, ou DACS para os íntimos, deveria ser reconhecida onde estivéssemos, fosse asfalto ou terra.

estrada real

estrada real

E era essa tradição toda que Srta. Hellen Dawson tinha agora a sua disposição para não se mostrar acanhada a enfrentar uma estrada digna de suas antepassadas que estiveram na segunda guerra mundial (ou você realmente acha que naquela época tinha maxi big ultra mega blaster trail dos infernos?). Naturalmente que os 100kg ou mais a mais do que dona stefânia e também considerando que dessa vez tinha bagagem traziam um tempero para o trem.

subindo a serra

subindo a serra

ainda falta muito?

ainda falta muito?

há algo mais entre o céu e a terra

há algo mais entre o céu e a terra

no topo

no topo

E lá em cima chegamos, para a incredulidade de uma casal que descia num uno velho e parou para me perguntar se eu estava perdido enquanto tirava umas fotos.

Não havia como explicar para eles o quanto eu estava realmente me encontrando.

perdido?

perdido?


10/06/13 adeus à bezerra

Uma parede de neblina insistia em se manter a minha frente. Isso porque já havia avançado bem a BR381 Fernão Dias em direção a Bhz. Acredito que dava para ver aproximadamente uns 10 metros a frente e olhe lá.
Mas, Fantini, de São Paulo a Belo Horizonte é um trecho curto, poderia ter saído mais tarde e evitado o frio cortante da manhã. Bem, isso não estava nos planos de Sabbath, o gato, e eu preferia não ter um hemorragia interna sem explicação.
E se o motor funcionando em temperatura adequada foi a salvação no trânsito travado de São Paulo, agora na neblina gelada senti até saudade do tempo em que cozinhava os bagos em cima da panela de óleo abaixo do banco de Hellen Dawson. Até lembrei da primeira vez que peguei um tempo de inverno com a saudosa dona stefânia a noite, retornando de Bhz para Mariana, idos de 2009. Naquela noite parei umas três vezes e fiquei abraçado no motor em funcionamento antes que pegasse um pneumonia. É, há coisas mais perigosas na vida do que um gato metido a besta.
Cheguei em Bhz na hora do almoço e após rever mãe e descarregar as tralhas na casa do imperador, fui finalmente comprar um capacete novo. O velho zeus aberto companheiro de muitas desaventuras já apresentava sinais dos kms sob chuva, sol, frio, besouro e toda sorte de sujeira possível. Teve até um passarinho suicida que deu um razante na viseira certa vez.

Infelizmente não havia uma cor mais espalhafatosa

Infelizmente não havia uma cor mais espalhafatosa

Em seguida já estava convocando o povo do clã para homenagear nossa querida bezerra morta. Tentamos ir no Vintage 13, mas como era segunda, estava fechado. E assim ficamos no Amarelinho da Savassi mesmo.

Preocupado

Preocupado

Na terça fiquei por conta da família, já que na quarta tinha encaixado uma visita para o Flávio lá em Itaúna MG. Como Itaúna MG fica logo ali a uns 100kms, não tinha motivo para sair muito cedo e finalmente pude pegar um clima agradável para curtir a estrada.
Pena o trecho curto, descendo a BR381 Fernão Dias sentido São Paulo, para logo após a Serra da Pedra Grande em Igarapé MG, pegar a MG431 sentido MG050. Outra opção seria subir a BR262 após Betim MG e pegar a MG050 na altura de Mateus Leme, mas sempre prefiro o caminho da serra por ter uma sequência bacana de curvas.
Já encontrei com o Flávio no supermercado, abastecemos de cerveja e carne e pronto, mais dois dias de preocupação com a coitada da bezerra. Um ótimo adeus à bendita.
E até aqui basicamente pilotando por estradas cuja maioria eram mais que conhecidas, paisagens que apesar das repetidas vezes, não me canso nunca de rever. Sim, desde quinta, dia 30/05 entregue ao que o clima e o asfalto me oferecessem e aproveitando a recepção calorosa de todos os amigos e irmãos. Não sei bem o que dizer a respeito a não ser: experimente também.

#vem para estrada

#vem para estrada


07/06/13 vamos beber a bezerra

Descendo a Bandeirantes a partir de Campinas sentido São Paulo, começo a pensar que tinha sido meio que besteira alterar a injeção da moto. Srta. Hellen Dawson ficou tão solta que de repente já estava acima do limite de velocidade sem esforço algum e isso estava começando a ficar divertido, mas ao mesmo tempo perigoso. Até porque ainda estava me acostumando com o novo regime de giro e potência.
Tem muita gente que vai então dizer, olha o Fantini, sempre tirando onda de motoqueiro doidão e agora se comportando como um frango d’angola pena branca. Isso porque já faz algum tempo que decidi respeitar os três limites:

A estrada – há estradas em que se pode andar no limite, pista livre e há estradas com mais curvas ou trânsito pesado ou asfalto ruim, em que se deve andar na boa.
A máquina – há motos em que se pode fazer curvas com precisão cirúrgica sem muito esforço ou que param com segurança e há motos em que é preciso um pouco mais de treino e domínio da sua dinâmica.
Você mesmo – tem dias em que está com todos os reflexos a flor da pele e tem dias em que o cansaço impede fazer movimentos simples como parar a moto no descanso com segurança.

Acreditem em mim, respeitar esses três limites, estar atento com o que ocorre na estrada, na máquina e em você, garante muito mais sua segurança que qualquer parafernália high tech de última geração. Lógico, use jaqueta, calça, coturno e capacetes bons e confortáveis. Mas o que quero afirmar é que não é preciso gastar uma pequena fortuna para ter segurança ao andar de moto.
E o trânsito de São Paulo numa sexta feira início da noite me faz esquecer as divagações e voltar a atenção aos carros a minha volta e as placas para encontrar o caminho. Aí você já imaginou a situação, moto custom, motor grande fritando sob suas pernas, quase uma vasectomia sem cirurgia e eu também fiquei imaginando.
Se você estava pensando que o melhor de acertar a injeção da moto era ter o motor entregando sua potência real, sinto em lhe informar que o motor trabalhando em temperatura adequada porque a mistura agora está correta é o melhor resultado que se pode esperar. Podia até continuar com a moto presa que nem ligava. Enfrentar o engarrafamento, sem ter tanta possibilidade de aproveitar os corredores porque a maioria só passava moto pequena, sem perder sua capacidade de ser pai um dia, é algo que nos deixa mais tranquilos.
Chego na casa do Hellton e ele empolgado me mostra a nova carteira categoria AB.
– Olha, agora eu tenho duas carteiras! Agora eu tenho duas carteiras e… o que está fazendo.

você tinha duas carteiras

você tinha duas carteiras

– Você tinha duas carteiras, hora de beber a velha com a bênção daquele que tem a pena preta, para se livrar de qualquer mal.

bebendo a carteira

bebendo a carteira

Ainda bem que ainda tinha heineken, já que o mequetrefe do Musquito que chegou em seguida repôs o estoque com skol. Cai alho, Musquito, cai alho! Além de morar em São Caetano que é longe, agora tem mais um motivo para não te visitar.  E assim fechamos a noite comemorando e bebendo a velha carteira do Hellton.
No sábado de manhã fomos dar umas voltas em lojas de motos usadas, o Hellton já tinha adiantado algumas opções e pediu minha opinião. Vimos algumas 125 para começar a brincar e pegar o jeito para coisa, na minha opinião, não é vergonha alguma, é que começando pequeno se pode avançar com calma e se adaptar a motos maiores passo a passo.
Em seguida pergunto se estávamos perto da Johnny Bordados.
– Uai, estamos. Porque?
– Vamos lá, quero ver se tem um esquema que estou precisando.

Johnny Bordados. Recomendo.

Johnny Bordados. Recomendo.

Chegamos e fomos muito mais que bem atendidos pela prestativa Anne, que apesar de só me conhecer por email reconheceu o brasão. Agradeci o respeito e pedi para ver se tinha o esquema que está procurando.
– Estou querendo fazer uma tarjeta, mais ou menos uns 20cm escrito aspirante.
– Sim podemos fazer, se puder esperar uns 30 minutos te entrego ainda agora.
– Perfeito, esperamos um pouco.
Nisso o gordinho do meu lado está pasmo.
– Para de tremer e me dá um abraço aqui, bem vindo ao DACS.

quase chorou

quase chorou

A noite já estávamos novamente comemorando e bebendo a velha carteira, afinal de que adianta ter moto se não tem irmãos e amigos em cada destino para fazer simplesmente isso, comemorar a amizade? Não, café da manhã não conta.
Ainda passei um agradável domingo na companhia do casal Tavares, tirando um pequeno contratempo com um restaurante que não servia carne. Finalmente o Hellton tem a oportunidade de comentar sua opinião sobre a morte da bezerra:
– Você não está percebendo o quanto este é um evento fatídico, a bezerra é o sustento daquela pobre família, produz leite, se pode fazer esterco com seu extrume, aí a bezerra vai e morre, a família fica desamparada. Isso não te preocupa?
– Sim, me preocupa demais, vamos beber a bezerra!
Em seguida já estava novamente descansando para partir para novo destino na segunda cedo. Não antes de um último vil dedo de prosa com Sabath, o gato.
– Cai alho! Qual a explicação lógica de você estar apalpando com as duas patas a minha barriga?

não sei se vou gostar da resposta

não sei se vou gostar da resposta

– Ora, Sr. Fantini, apenas verificando pontos fracos para causar um hemorragia interna, caso o senhor estenda por mais dias a sua estada em meus domínios.

cai alho!

cai alho!

Ainda bem que tinha outro destino no dia seguinte.


06/06/13 bezerras me mordam!

A selva de pedra que é São Paulo a cada visita se torna ainda mais indefectível. Sempre se pode esperar que haverá trânsito, mesmo que seja numa quinta feira às 05:30 da matina. OK, trânsito ainda incipiente comparado com o que ocorre nos horários, digamos, mais comerciais (afinal já peguei trânsito aqui em pleno domingo a tarde), mas ainda assim surpreende nós, meros mortais, que vivemos em cidades mais provincianas.
Mas, Fantini, temos uma cidade 24hs, encontramos qualquer produto a qualquer hora. Isso, tenho que concordar, afinal como a cidade está sempre paralisada, realmente é preciso que o supermercado e a padaria estejam abertos em horários não ortodoxos, quando se consegue finalmente chegar em casa.
Só que meu destino naquele momento era outro. Desde a fatídica sexta feira santa, em que Srta. Hellen Dawson resolvera dar uma pane na bateria (somente porque o distinto aqui ficou com o farol ligado um bocado de tempo enquanto apanhava para montar o bagageiro) estava nos devendo uma visita a Garage Henn.

Garage Henn

Garage Henn

Nem era pela ladainha do Maia de que a moto ia andar mais, que dava para ganhar potência, que devia trocar até a rebimboca da parafuseta, que assim andaria mais que moto japonesa (opa, aposto que vai aparecer algum “entendido” para discutir, rsrs), mas queria somente e basicamente acertar a porcaria da mistura pobre de fábrica que a HD original tem para atender os limites de emissões e etc.
Nisso realmente invejo os amigos de carburadas, bastava regular eu mesmo o maldito carburador, mas com essa maldita injeção, era preciso remapear e por mais simples que isso parece depois que se ver fazer, o melhor é sempre levar em quem conhece e assim rumamos para Campinas SP pela Bandeirantes.
Sim, você que está rindo aí já imaginando: “nossa, será que o Fantini que tanto comenta do frio na estrada neste mês de junho, vai comentar da serração da Bandeirantes?”. Pode continuar rindo, porque não vou comentar. Frio do capeta!
Cheguei um pouco antes da hora da oficina abrir, o que permitiu tomar um café e comer um misto quente enquanto o Paulinho não aparecia.

– Você que é o Fantini?
– Sim.
– Você não é doido igual o Maia, é?
– Não, pode ficar tranquilo.

Revisão dos 32.000km

Revisão dos 32.000km

Depois de discutir as peripécias do Maia e decidir que não iria trocar a rebimboca da parafuseta, deixamos a moto para fazer a revisão dos 32.000km e no dia seguinte faríamos o remapeamento.

– Nossa, Fantini, para que gastar dinheiro com essa moto velha, 32.000km, nossa, que pena hein, que ano é? Não, não me diga, 500km por ano, bem, tem uns 60 anos, é? Você adaptou a injeção?

Deixei o “entendido” conversando sozinho e aceitei o convite do Paulinho para conhecer a cidade. Na verdade ele precisava verificar se achava um portão melhor para a câmara do dinamômetro e lá fomos parar num ferro velho tosco como sempre tem que ser. O Paulinho achou o portão que queria, mas estava sem dinheiro na hora.

– Uai, camarada, não seja por isso, eu te dou o portão e estamos quites no serviço da moto lá.

E assim, mais uma vez o motoqueirismo mostra sua verdadeira face, da camaradagem e da ajuda mútua. Ainda o acompanhei na compra de outras traquinagens tipo “do-it-yourself” que iria instalar lá na tal câmara do dinamômetro. E nisso temos que dar o braço a torcer para o camarada, humildade e simplicidade em pessoa.
A revisão terminou no final do dia e o remapeamento somente no dia seguinte. Resolvemos comemorar o portão novo num pub famoso de Campinas que fiz o favor de esquecer o nome. Mas, não tem erro, basta ir no que estiver mais cheio, é esse. E mais uma vez fico surpreso com a circularidade da vida.

– Fantini, você toma joaquim daniel?
– Uai, claro, não dispenso jamais.
– Então pega aí. O Maia que trouxe de presente.

gentileza gera gentileza

gentileza gera gentileza

Cai alho! O cara gastou tanto aqui que precisa esticar as prestações e rolar a dívida, e aí tem que mimar o credor. Olho com mais cuidado para garrafa, um legítimo Joaquim Gente Fina e, peraí, cai alho! Conheço esse Joaquim, havia dado para o Maia para pagar o que bebemos todo em Prado BA e olha só. Rsrsrs! Sim, gentileza gera gentileza, melhor ainda quando se trata do Joaquim Gente Fina. Nem precisa dizer o tanto que a noite foi boa.

preparativos

preparativos

No dia seguinte Srta. Hellen Dawson já estava sendo devidamente estuprada até o limite enquanto o breguete lá de remapeamento, o tal TTS Mastertune para quem queira saber, ia fazendo as leituras e equalizando os dois cilindros e corrigindo a mistura.

taca fogo na namaguideraz!

taca fogo na namaguideraz!

Três séries de ajustes depois, finalmente o motor pode respirar aliviado e entregar sua potência original e não aquela merrequinha estrangulada de fábrica. Mas sinceridade, tenha em mente que os freios das custom em geral e da HD inclusive não são aquela maravilha e seja consciente.

já dá para alcançar as japonesas

já dá para alcançar as japonesas

– Consciente? Você fala sobre os três limites e.. Fantini, Fantini, peraí!!!

Depois de uma voltinha de teste, despeço do Paulinho e equipe da Garage Henn, realmente mais que recomendado, não só pelo serviço impecável, mas pela pessoa que o camarada é. E isso faz toda a diferença. Fora que me custou apenas um portão usado. Fino!

Ligo para o Hellton:

O Fantini me ligou

O Fantini me ligou

– Frangolino, separa o colchão aí que estou chegando.
– Sério?! Bezerras me mordam!!!


05/06/13 enquanto a bezerra continua morta

São 05:30 da manhã e a esposa acorda de sobressalto com o grito do marido:
– Ele vem! Ele vem!
– Meu deus, calma, quem vem?
– O Fantini, o Fantini vem para São Paulo!
– Mas como você sabe? Ele não estava em Goiânia?
– Programei meu celular para acompanhar as publicações dele no facebook. Já vou até mandar uma mensagem no whatsapp para saber quando ele chega.
– Meu bem, vamos voltar a dormir? Vamos.

A parte divertida de uma longa viagem de moto, mesmo com paradas estratégicas para visitar os amigos e descançar o corpo, é que o clima sempre te surpreende. Eu acreditava que não seria possível passar mais frio quanto o que passei a praticamente uma semana atrás, subindo na quinta de Vitória ES para Três Ranchos GO. Estava enganado.
Enquanto avançava a BR153 com destino à divisa de Goiás com Minas Gerais, para seguir para Uberlândia MG e de lá pegar a BR050 em direção a São Paulo, a espessa neblina da madrugada cortava a jaqueta, a segunda pele, minha pele e calcinava meus ossos. Vejo a saída para Caldas Novas GO e praguejo por estar indo em outra direção.
Aí lembro que não havia abastecido na noite anterior e olho o hodômetro. Tinha ainda garantido 50km de autonomia e assim fui neblina adentro. 40, 45, 49km, nada de posto, quer dizer, passei uns três que estavam no sentido contrário da rodovia. Cai alho, Fantini! E porque não atravessou a pista? Bom, pista dupla com retas infinitas tem suas vantagens. A desvantagem é a mureta central ou uma vala de todo tamanho. Fora a teimosia de não pegar o retorno porque tinha retorno para o posto, mas não tinha retorno para voltar. Fora que estava frio igual na terra do capeta e queria evitar qualquer manobra brusca.
Aos 51km o posto apareceu, minha salvação. Quer dizer, salvaria a autonomia. Com essa temperatura, parar é até pior, porque o corpo esquenta novamente e quando se volta para a estrada, o choque térmico é ainda mais forte. Tudo bem, podem rir do fato de ter deixado o forro da jaqueta para trás lá em Vitória ES. Mais algumas sequências de nada com coisa alguma na paisagem em volta, a solidão tomando conta de seu ser e a divisa de estados surge junto com a ponta do sol para mostrar que sim, você está vivo e não atravessando alguma ponte através do Rio Aqueronte.

Divisa Goiás - Minas Gerais em direção ao trevão

Divisa Goiás – Minas Gerais em direção ao trevão

Logo em seguida há um trevão onde se pode seguir direto para entrar em São Paulo pela estrada que chega a Barretos SP (ninguém recomenda) ou pegar um trecho da BR365 até Uberlândia MG e lá pegar a BR050 (que vira Anhanguera em SP) passando por Ribeirão Preto SP, caminho mais recomendado e por onde fui. E continuou o frio, Fantini? Alguém deve ter perguntado. Sim, continuou lá em Goiás, porque agora começava a esquentar de tal maneira que era impossível acreditar que a poucas horas atrás poderia encontrar um pinguim passeando no acostamento que não acharia estranho.

o sol voltou

o sol voltou

Já passam de 11:00 da manhã. O sujeito está inquieto, reunião tensa na empresa, saca o celular.
– Co jest kurwa? Jesteśmy w spotkaniu! Chcesz stracić piłki!? (1) – esbraveja o chefe polonês.
– Calma chefe, preciso saber do Fantini. Como assim?!? Nenhuma resposta dele, vou mandar outra mensagem.

Entre Campinas SP e Valinhos SP, durante uma parada de abastecimento, resolvo conferir a hora para acompanhar o avanço da viagem e comentar no facebook que estava correndo tudo bem. Vejo umas três mensagens no face e outras cinco no whatsapp. Da mesma pessoa:
“Assim que puder, me liga”
“Chegando em São Paulo, me avisa”
“Já providenciei cerveja”
Bom essa última interessou e respondi um educado: “pensarei no seu caso”, até porque tinha compromissos da pena preta. Mas como havia aberto o celular, resolvo conferir o mapa também, esses trem high tech de hoje facilitam a vida, e vejo que com um pequeno desvio de 150km poderia dar um abraço no velho rabugento lá de São José dos Campos SP e assim peguei a Rodovia Dom Pedro I e segui para lá.
Cheguei ainda no final da tarde, a casa estava com cara de vazia. A moto na garagem, mas o carro não. Isso é sério? O velho é só gogó mesmo! Vejam, compra essa moto enorme só para tirar foto dela enquanto lava na garagem. E depois sai para passear de carro! Trinquei! Pego o celular para ligar para ele e já sacanear até a 3a geração, quando lembro que lá em Três Ranchos GO, uma falha sem explicação apagara a memória de contatos. Trem high tech mão na roda, o cai alho! Ainda tentei conseguir o número de telefone por outras vias, mas acabo descobrindo que ele estava em Jundiaí SP, próximo de onde eu havia pegado o desvio. Paciência.
Pego a Dutra de volta para São Paulo SP e de repente o calor desaparece e encontramos de volta a sensação de estar indo em direção ao Tártaro. E assim novamente a viagem de moto lhe apresenta a sua maior lição: não importa quem você seja, o clima não se interessa por sua insignificância e vai se apresentar do jeito que melhor o convier, indiferente a sua vontade. Se acostume com isso ou venda a moto e compre um sofá e uma televisão full HD.

em direção ao tártaro

em direção ao tártaro

Após ficar perdido pela enésima vez para pegar a saída para Av. Paulista, acho o endereço de onde tinha meu compromisso e o trecho de hoje estava finalizado depois de uns 1.100km e por volta das 19:30. Ligo para o Hellton.

– Fala, que bom que ligou, já estava preocupado. Já está aqui na porta de casa?
– Não.
– Uai, mas está a caminho?
– Não.
– Está perdido de novo?
– Errei o caminho, mas já achei o endereço aqui.
– Endereço? Não vai vir para cá?
– Não.
– Como assim? COMO NÃO?!?
– Sossega, a bezerra continua morta.

(1) Que porra é essa ? Estamos em reunião ! Quer perder as bolas ?!?


02/06/13 a morte da bezerra pt04

Segunda feira, a diária a vencer e você acorda assustado com o telefone do quarto tocando, logo cedo igual havia solicitado na noite anterior. Hotel multi estrelas é outra categoria. Observa a cama desarrumada e a toalha molhada no chão, a copeira que se vire, eu vim andar de moto. O colega do café da manhã lhe passara um telefone de um camarada que poderia te receber e mostrar a cidade: “Quem? Olha, hoje é segunda, estou ocupado, fica difícil ajudar gente desconhecida. O Zé não me disse nada sobre você vir aqui.”
– É sério isso Fantini? Fantini? Uai, arrumando o apto?
Tudo bem, diárias grátis são uma coisa, agradecer a hospitalidade é outra, ainda mais quando se está entre amigos. Nem o Batman pediu, já estava com o aspirador em punhos dando uma geral no apto de Caldas Novas GO.
– Não entendi, quando você vem aqui em casa em Sampa, tudo bem que não faz bagunça, mas nunca passou aspirador.
– Helton, você é aspirante. Sossega.
Após deixar tudo do jeito que encontramos, juntamos as tralhas, se bem que só precisei juntar a única sacola que está me acompanhando desde quinta passada para rumarmos para Goiânia GO, afinal ainda devia um abraço nos demais integrantes da família Carvalho: Fantasma, esposa e filhos.
Havia um caminho subindo direto a GO352, mas o Batman chamou a atenção que o caminho pela GO153 seria mais adequado. E assim pegamos a GO213 ao invés da GO139 e logo já estaríamos na estrada principal rumo a Goiânia GO que alcançamos antes do almoço.
– Pena hein, Fantini. Segunda, o pessoal trabalhando, nem puderam te receber igual o outro camarada.
Muito pelo contrário, não só fizeram questão de me receber e que recepção, digna de um rei, que até fiquei lisonjeado. Se você ainda não entendeu, vamos repetir, motociclismo é isso, pegar estradas por aí e encontrar amigos, nada mais.
E assim, não satisfeito em preocupar com a morte da bezerra sozinho, arrastei toda a família Carvalho para essa terrível preocupação.
– Você ainda não percebeu o real valor deste fatídico evento, a bezerra morta, o sustento de uma família da roça.
– Helton, você é aspirante. Sossega.
No dia seguinte tive a oportunidade de conhecer as instalações da FFTuning, negócio do Batman e Fantasma, especializado em peças de decoração para veículos como aerofólios, saias laterais e demais itens para alegria de qualquer fã de carro tunado.
Na verdade tudo isso, a viagem a Três Ranchos GO, ficar ciceroneando o Batman, participar da recepção e em seguida pagar um almoço para os dois irmãos, era somente pano de fundo para meu real e infalível intento.
– Viu, gostei da carretinha, quanto quer nela?
– Fantini, não está a venda.
– Cai alho!!!

visita infrutífera

visita infrutífera

A visita a Goiânia GO fora infrutífera. Como assim não está a venda, como assim?!? Ao me mostrarem o Todinho, o cachorrinho que guarda a empresa, me convenci de que não estavam de brincadeira.

filhote de belzebu disfarçado de cachorro

filhote de belzebu disfarçado de cachorro

Ainda tomei um pouco do tempo do Batman para fecharmos a conta e fazermos uma resenha da aventura. Resolvemos que tudo poderia ser resumido na seguinte frase: “Ah, não, não! Pára! É mentira. É mentira!”. Trincamos.
Na quarta de madrugada ainda fez questão de acordar para se despedir. Pessoas assim, ele, o irmão e toda a família Carvalho, só encontramos procurando estrada afora, acho difícil encontrar no café da manhã de sábado.

– Olha a desfaçatez da criatura. Aristóteles foi claro em seu livro Ética à Nicômaco: “Depende de nós praticarmos atos nobres ou vis; e se é isso que se entende por ser bom ou mal, então depende de nós sermos virtuosos ou viciosos.”.  A virtude aristotélica consiste no esmero esforço do equilíbrio entre os vícios da falta e do excesso. Em posição de destaque se encontra a amizade, como virtude necessária no compartilhamento da felicidade.

– Maia, você é novato. Sossega!
Aí você que está me acompanhando nessa vida ingrata questiona:
– Hora de voltar para Vitória ES, Fantini?
– Vou nada. Vou para São Paulo SP.
– São Paulo?!?
– Ainda há muito com o que me preocupar.