Prudens quid pluma niger secundum

Arquivo por Autor

Esteja em Sintonia…

Dia desses, mais precisamente ao dia 14 de setembro de 2012, parti para Monte Verde acompanhado de alguns amigos e minha “garupatroa” onde num dado momento da estrada percebi que me faltava sintonia. Não sintonia com o grupo, nem com a estrada, uma sintonia comigo, eu estava tenso e incomodado.

20120925-113940.jpg

Via-me ali, como que em terceira pessoa: no fervor da estrada, temperado pelo calor escaldante, guiado pela trilha sonora composta pelo som da explosão dos motores e escapes, sendo aconchegado pelo vento que aos poucos diminuía minha ansiedade em chegar! Ansiedade essa que me contundia, que deixava mais ligado ao mundo real do meu dia-a-dia e me afastava de aproveitar aquele momento de sonho, sonho de liberdade e vida!

Aos poucos percebi que estava “puxando” num ritmo exagerado, talvez ate mesmo perigoso pela sobrecarga da moto! Perigoso por estar carregando em mim as preocupações que não podem ser resolvidas no banco de uma moto a 120 km/h e então, ainda lentamente meu corpo foi se soltando e a magia da estrada pôde dominar minha alma, a cada quilometro rodado me libertando da prisão criada por mim mesmo ao viver uma rotina tão pesada.

E então, no instante em que eu e minha moto éramos um só, apenas se deixando compor aquele comboio que completava a bucólica paisagem da liberdade, pude me sintonizar e viver todas as sensações através do esmaecer de uma testa franzida e um leve sorriso para mim mesmo.

20120925-114216.jpg

Esteja em sintonia com sua alma: Viaje mais! Liberte-se!

Anúncios

Os Sonhos Podem Esperar…

Quando estamos vislumbrando uma motocicleta nova, um upgrade no mesmo estilo ou ate mesmo uma radical mudança de segmento, nos deparamos com muitas possibilidades. Possibilidades essas que confundem nossas mentes, turbinadas por propagandas virtuosas, criticas monstruosas, opiniões sorrateiras, em suma: uma tempestade de informações. Bem, o que pretendo dizer é o quanto escolher uma moto nova é foda…

Há aproximadamente um ano atrás comprei uma Dragstar, incentivado pelas boas criticas, reportagens e opinioes de amigos, que agradeço muito, pois fiz uma ótima aquisiçao.

Mudei de segmento, da Bigtrail para a Custom. Confesso ter saudades infinitas da vida de Bigtrail, mas me certifiquei que uma BT de pouca cilindrada não é aquilo tudo que seus sonhos esperam, assim como uma Custom de média cilindrada acaba por deixar a desejar ao mais afoitos por pressao no motor… Hoje uma BT nao deve ter menso de 800c de jeito algum… senao vira moto urbana e pra isso ja temos varias linhagen da Tornado rodando por aih.

Nao digo que a DS seja uma moto ruim, pelo contrario, acredito e percebo no dia-a-dia uma moto guerreira, forte, econômica, confortável e deveras estilosa. Mas quando se faz algumas viagens mais longas com garupatroa e malas, é perceptível que lhe falta forca, nota-se que ela trabalha no limite. O mesmo acontecia com a Xt600, muita agressividade quando sozinho, mas muito esfôrço quando pesada. Ambas são motos feitas, com certeza, para se usar sozinho na estrada… ou de garupa na cidade… e no caso da DS, os infinitos aclives de BH tem a matado aos poucos.

O que estou falando, parte da experiencia de um motociclista que usa suas motos no dia-dia, 7 dias por semana, opinões de uma pessoas que opta por não ter um carro e vive todas as situações possíveis sobre duas rodas. Minhas motos recebem revisao geral todos os anos e manutenção em dia.

Tenho certeza da versatilidade da DS650 nas ruas e aposto a própria XT sobre qualquer analise dela no dia-a-dia e garanto as duas na estrada se eu puder encher o cano. Tenho minhas duvidas quanto a satisfação de amigos que “rodam” constantemente com suas HD`s ou Custom maiores, devido a falta de jogo no transito. Percebo amigos e colegas, deixando suas motos se transformarem em samambaias de garagem e deixando de aprender cada dia um pouco mais sobre o que é pilotar… sobre o que é ser motociclista… pessoas que tremem na estrada…

E em resumo eu diria: pense bem nos uso que sua moto terá, sobre seu(ua) garupa e pese bem os custos a longo prazo, pois 5mil reais economizados na compra de uma moto, podem se tornar um martirio ate a proxima oportunidade de upgrade!!!

Agora é so esperar a formatura e me presentear com uma V-Rod… ou uma M1500cc… quem sabe uma BMW… uma KTM… uma versys… um velotrol… uma Drag trasnformada… !??!?! é… é foda mesmo!!!!

Os sonhos podem esperar… 

 

 


Moto parada, bolso furado!!

Há muito não posto nada… Simplesmente por ter caido na mesmice frenética de final de ano e entrega de projetos! Então hoje resolvi comentar sobre o final de semana passado que trouxe velhas energias de volta e levantou bastante poeira.

Já faz um bom tempo que, erroneamente, tenho deixado minha XT600 de lado e dado mais atenção a minha moto custom. Nao classifico como um erro, mas como uma distração! E na semana passada percebi que ela já não queria mais sair do estacionamento! Talvez parada total devido ao tempo sem rodar, talvez birra por ver que sua irmã gordinha estava sempre a passear.

Pois bem, depois de um bela fuçada e uma boa empurrada de moto por dois quarteirões até a oficina, descobrimos que o giglê de baixa tinha travado e logo mais a noite quando ela me deixou na mao, os contatos do relê de partida tb! Moto parada é prejuízo na certa…
Ok!!! Nada q uma mexidinha não resolvesse!!! Uma boa limpada e desoxidada nos contatos do chicote, uma troca de gasolina e limpeza de carburador e pronto!!!

Pois bem… Qdo a coloquei para rodar pensei: quer passear!? Quer rodar!? ENTÃO TOMA!!!

Parti para Rio Acima em busca de uma cachoeira que sabia que teria amigos lá! E fui me perder e me divertir nas estradas de terra e trilhas mais leves, com minha garupatroa junto!!! Passamos pela estrada do Viana, fomos ate cachoeira de Chicadona pegamos um caminho alternativo pela trilha e achamos a cachoeira Tinta Roxa e curtimos muito! Filamos o rango da mocada e vazamos!!

Foi uma tarde linda e cansativa!
Boas companhias e ótimos momentos….
Muita poeira… Muita saudade… Tudo de um valor inestimável!

Cuidem de suas motos! Elas valem o seu sorriso!!!

20120126-000452.jpg


Pensamentos de Como Encarar as Chuvas

Já fiz e ouvi varias vezes essa pergunta: Como Devo Encarar as Chuvas na Estrada!?
A resposta, agora, é simples: Com receio e aquecido!

Cheguei a essa conclusão ao final do dia 13/10/2011 quando rumávamos, e chegamos, a Blumenau-SC. Estávamos preparados para chuva leve, mas nao esperávamos rodar aproximadamente 500km sob tempestade. Foi tenso e frio!!!

As calcas e jaquetas, vendidas como impermeáveis, são preparadas para chuvas leves e curtos trechos. Fomos pegos pelo excesso de confiança nos equipamentos e acabamos ensopados. Rodamos algo entorno de 8h chovendo. Consegui manter o peito protegido, mas os braços quase congelaram. As mãos estavam protegidas por luvas de couro e, por baixo, por luvas de procedimento cirúrgico. Em uma cidadezinha qualquer, compramos moletom e roupas de chuva. Bem, na verdade apenas o Thiago comprou roupas de chuva enquanto eu e Hermann compramos Moletons para ajudar a aquecer, já que havia apenas uma capa disponível.

Diante de tudo que rolou pensei em compartilhar umas dicas, coisas básicas que podem ajudar!

Evite as chuvas se possível, é uma adversidade das mais incomodas e inseguras. O risco de acidente é eminente devido a pouca visibilidade (tanto sua, quanto dos demais veículos) e incomodo da umidade e frio.

Tenha a viseira do capacete limpa e desembaçada, mesmo que seja necessário abrir uma frestinha do capacete! Aconselho os produtos de limpeza que são facilmente encontrados hoje em dia. Quando a luz do dia brigar com as gotas da viseira utilize a viseira escura opcional ou um óculos escuro, quebrando os reflexos que podem incomodar.

Carregue consigo e de fácil acesso, um moleton reserva um conjunto de roupas de chuva com bolso externo para moedas do pedágio (estilo usado diariamente por motoboys). Acredite: é a melhor solução e de ótimo custo/benefício.

Proteja as mãos com luvas de borracha de procedimento cirúrgico. Elas mantém suas mãos secas e aquecidas! Vale a pena levar um par para cada parada, já que elas ficam nojentas!

Use roupas adequadas para o trecho em questão, dê preferencia para um velho e confortável jeans quando possível, em tempo seco! Abuse de calcas de cordura em tempos úmidos e chuvas leves! Vc se ajuda na limpeza e se aquece!

Nos dias e trechos mais frios ( serras, matas, etc ) use segunda-pele ou se prepare para um frio que vc nao pegou ainda. Tenha para você o conceito de conforto particular, em termos de temperatura. O grupo pode estar bem, mas você estar caminhando para uma hipotermia sem perceber.

Procure utilizar um coturno ou botas impermeaveis e caso nao seja possível, proteja seus pés com sacolas e jornal. Lembre-se que a água tb pode entrar pela parte superior da Bota.

Use jaquetas do seu tamanho, nao maiores ou menores. Couro ou cordura, mas sempre confortável. Compre sempre pensando que vc pode querer ou precisar usar uma blusa mais quente por baixo.

Dê preferencia para as vestes que já tem costume, evitando novidades que podem ser desagradáveis. Longos trechos montados em sua motocicleta sentindo algum incomodo, sendo perturbado por algo apertando, fincando, te esfriando, suando e etc, pode ser muito perigoso por alterar sua paciência, humor e atenção.

Cuide-se o máximo possível! Nao tenha medo de encarar a chuva!!

Vigie os outros carros o tempo todo! Evite as poças de agua e manchas de oleo! Evite sustos com os caminhões e as nevoas que levantam ao passar!!!

Em grupo mantenham-se unidos numa formação mais densa, pode nao parecer, mas é muito mais seguro. Mantenham a velocidade constante, evitando acelerações e frenagens bruscas! E tenha sempre certeza do que está fazendo!!!

No mais… Boa estrada!!!


Viajar em grupo é um pouco mais que colocar motos no asfalto!!!

Antes de iniciar a jornada de BH-Blumenau pesquisei muito na internet, em grupos e foruns de motociclismo, sobre dicas de condução, sinais, segredos e artimanhas para se viajar em grupo. Li na integra poucos dos artigos encontrados, talvez pela falta de tempo ou excesso de auto-confiança. Meu intuito era tentar corrigir algumas das falhas ocorridas na viagem à Vitoria (ES) meses atras, nada serio, mas que nos deixa receoso.

Partimos muito cedo e pouco combinamos sobre sinais e avisos, tudo nasceu naturalmente durante a estrada e em pouco tempo já estávamos em sintonia. Sinais de parada, ultrapassagem, redução de velocidade, pedido de atenção … Foram nascendo ali, a cada parada para reabastecimento e do entendimento das necessidades.

Percebi que mais importante que sinais, é sua atenção ao transito. Devemos nos ater aos retrovisores, perceber os acontecimentos a sua volta e respeitar as limitações do grupo.

Em resumo devemos nos comportar sequencialmente, repassando os sinais e agindo logo em seguida.

Ao ultrapassar devemos ter cautela e respeitar os espaços existentes, na rodovia e entre os veículos e caminhões! Não devemos arriscar, a viagem de moto por si só já é um trabalho de administração constante de riscos!

Em resumo, quem vai a frente do grupo, conduz o comboio, assim como a segurança de todos, dita o ritmo e os melhores momentos de se investir numa ultrapassagem, normalmente é quem define os melhores pontos e momentos de parada conhece a autonomia das demais motos.

Quem fecha a fila garante segurança na ultrapassagem por terceiros e protege o grupo contra os mais engraçadinhos, também auxiliando no ritmo.

Os demais devem manter o equilíbrio das funções, recebendo e repassando sinais e seguindo o ritmo com cautela, nao extrapolando limites e sempre ligados aos demais integrantes.

Com poucos quilômetros tudo isso torna-se automático, nasce então a sintonia que garante toda a tranqüilidade para que possamos viver o momento transcendental da viagem em grupo de motocicleta!

Simples… Em sintonia… Equilibrados… E 1500km não serão nada de mais!!


O que levar em uma viagem mais longa?!

Quando nos preparamos para viajar sempre compensamos nas mochilas aquela sensação de insegurança frente ao desconhecido, tanto para mais, quanto para menos carga!!

Isso é normal e se acha um equilíbrio conforme sua experiência aumenta! Para mais, quando queremos nos sentir seguros, estar prontos para o que der e vier! Para menos, quando acreditamos estar prontos e percebemos apenas quando longe que nos faltou um moleton ou uma bermuda!

Confesso ter montado meus alforjes quase próximo do exagero! E digo quase pois, passado uma semana ainda tenho camisetas e uma calca limpa! Mas me faltou uma blusa tipo Moleton que fosse pra um frio leve e fácil de carregar!!

Pretendo para uma próxima viagem adquirir camisetas dry-fit e uma calca tactel. Assim diminuo o volume e mantenho o conforto, podendo lavar mais roupas durante as hospedagens! No Sul o clima é muito instável nessa época de outubro e nossa mochila deve estar preparada para isso!!!

Devemos lembrar que sempre retornamos com carga a mais devido aos presentes, lembrancinhas e camisetas que compramos!!! Só de caneco da oktober estou retornando com dois gigantes!!

Até o momento viajo com dois alforjes laterais e os excessos em um montante na redinha no banco do passageiro!

Lembre-se de ter ao alcance das mãos, durante a estrada, dinheiro, protetor labial, colírio, máquina fotográfica e protetor auricular!! E de fácil acesso nas bolsas complementos para frio e capa de chuvas!


Orientação e objetivos

Nesses, até então, aproximadamente 1600 km já rodados percebo uma bela parcela dedicada a erros, voltas e desorientação nos passeios a cidades próximas às bases q temos firmado!!!

Temos gasto muito tempo acreditando (e errando) em nosso falho senso de direção, e dicas do “sô Zé” do que sentando e conversando diante de um mapa ( na mochila!! ) ou com um GPS LIgado!!!

Nos últimos 6 dias conseguimos nos perder bêbados, sóbrios, secos, molhados, de dia e de noite e por aih vai!!

Entendo de alma “que o que vale é a aventura”, mas acredito que tudo isso aumenta os riscos na estrada: cansaço, lusco-fusco, pane-seca, fome, ansiedade, etc!!!

Pensei hoje em colocar como prioridade um GPS para nos ajudar!
Nao quero usa-lo para encontrar um caminho entre BH e Betim!! Mas na boa, tente achar uma merda de saída de Itajaí ou um hostel em Floripa e vc acabara me pedindo ele emprestado!
Rsrsrsrsr