Prudens quid pluma niger secundum

Posts com tag “Buenos Aires

01/02/14 desdobramentos de uma ida à padaria mais próxima

Basicamente já passou de um ano que Hellen Dawson tem sido minha companheira de desventuras, ao invés do malfadado sofá da sala. Na verdade foi em dezembro agora, mas entre outros compromissos e a agitada agenda de festejos de fim de ano, não foi possível dar a menina uma comemoração digna.

Semana passada observei que a padaria da esquina havia passado por uma reforma, bem, pensei com meus botões, vamos lá conferir. Assim sábado cedo, preparei toda a parafernália e aproveitando que Hellen Dawson finalmente tomara um banho (acho que tinha uns 2 ou 3 meses que não lavava), lá me fui em direção à padaria. Como Bilbo Baggins bradei: “I’m going on an adventure!”.

O ronco alto perturbou os vizinhos, o cheiro de gasolina se espalhou pelo ar e passados exatos dois quarteirões ou algo em torno de uns 300m, alcançava meu lendário destino. E para minha grata surpresa, a padaria agora tinha um buffet de café da manhã! Não preciso mais correr o risco de me deslocar para outro bairro onde havia uma padaria mais chique conforme dica de um amigo ortopedista.

Um pão francês com presunto e queijo e uma água de coco depois, acabara-se minha saga. Sim, completada esta árdua missão, me sentido um grande homem, olhei para Hellen Dawson e quase me emocionei! Que grande motociclista eu sou!

Mas aí a ficha caiu e me voltei a minha insignificância de motoqueiro. Sabe, daqueles que usam a moto. Lembrei da última ida ao Bad Service comentando sobre a visita ao Mosteiro Zen em Ibiruçu (comentaremos a respeito em seguida), o Marcelão me deu a dica de que em Buenos Aires havia também uma bela subida de morro onde se tinha uma boa vista da orla de Guarapari. Você não leu incorretamente, estamos falando daquele vórtice espaço temporal que existe no trevo de Guarapari na BR101 que te leva a Buenos Aires.

A 1a visita a Buenos Aires

A 1a visita a Buenos Aires

Resolvera ir pela orla mesmo, ao invés do já batido caminho passando pela Rodovia do Contorno. E lá fui eu já a pleno sol escaldante de 10:30 atravessando trânsito daqui de Jardim Camburi até a Segunda Ponte. E você achando que o trânsito no centro de Vitória seria o ápice, encontra a BR262 em manutenção e meia pista. Dessa vez foi tenso, afinal, além da temperatura ambiente, ainda havia a temperatura do motor rodando sem vento suficiente. Seria um problema, mas, bom, ao menos dois médicos que eu conheço, esse ortopedista e outro psiquiatra, indicam moto como um excelente tratamento para a maioria das doenças e eu não vou discutir com especialistas.

De volta a BR101 e lá vamos nós entre os caminhões e carros que insistem em rodar num sábado, se bem que o país não pode parar e nem todo mundo pode se dar o luxo de largar a visita à padaria para trás. Apesar do calor infernal, o verão trás cores novas à paisagem local e as várias fazendas que marginam a BR101 estavam exuberantes, assim como os conjuntos de morros estilo “pão de açúcar” típicos da região. A energia é fantástica e você compreende porque seus dois amigos médicos recomendam andar de moto.

Chego ao trevo onde se encontra o vórtice temporal e pego a estrada vicinal em direção a Buenos Aires. Que estrada bacana e que paisagem espetacular. Primeira parada em frente a Pedra do Elefante, achei fantástico. E voltamos a estrada vicinal e lá vamos subindo morro. Não é nenhuma serra assassina, mas tem lá seu charme. Fiquei encucado, afinal onde estava a tal vista da orla de Guarapari. Que se dane, tudo em volta já compensava, paisagem muito bacana.

Dentro do vórtice

Dentro do vórtice

Pedra do Elefante

Pedra do Elefante

E assim cheguei na cidade. E vejo uma placa indicando o caminho para uma cachoeira. Nesse calor, boa pedida. Enveredei mais uns 3km de estrada de terra batida de leve e cheguei na trilha que levava até a cachoeira.

já que a moto estava limpa

já que a moto estava limpa

logo ali

logo ali

A cachoeira

A cachoeira

Depois de ficar ali somente apreciando a natureza e o som revigorante da queda d’água e lembrar de outras aventuras nas entranhas de Minas visitando cachoeiras desconhecidas, tive que voltar a realidade e caçar algum lugar para comer porque já era quase 13:00. Mas e o café da manhã, Fantini? Bom, ficou lá na padaria e depois de uns 70km de estrada, eu mereço almoçar, também sou filho de Deus. Lembrei que havia um restaurante bacana um pouco antes da cidade e me encaminhei para lá. Como sábado, domingo e feriado é dia de almoçar tira-gosto conforme o sábio conselho de Dr. Hugo, fiquei na porção mesmo. Recomendo demais o local.

sábado, domingo e feriado é dia de almoçar tira-gosto

sábado, domingo e feriado é dia de almoçar tira-gosto

Em seguida peguei o caminho de volta e para minha grata surpresa fui presenteado com a vista da orla de Guarapari, linda. Pena que não dava parar por falta de acostamento e ser uma descida. Bom, isso significa que se você quiser ver também, esqueça as fotos dos outros, pare de comer essa coxinha aí na padaria e venha ver com seus próprios olhos.

Anúncios