Prudens quid pluma niger secundum

Posts com tag “Port Elizabeth

28/12/14 The voortrekker 04

Você acorda com aquele cheiro de mofo no quarto de quinta categoria e agradece por ao menos ter uma cama para descansar. São 04:00 da matina de 28/12 e depois de organizar as tralhas, você repara no tempo nublado e já espera outro dia debaixo de chuva.

Ao menos posso contar vantagem que passei frio na África do Sul e ninguém vai acreditar.

Saída de Port Elizabeth

Saída de Port Elizabeth

Seriam mais 770 km ainda na N2 entre Port Elizabeth e Cape Town (o destino final dessa empreitada). E em pouco tempo já estava encharcado novamente e concentrando todo o meu ki para suportar o frio sem tremedeira.

Para os mais puritanos não foram exatamente o ABS ou o controle de tração da BMW os principais responsáveis pela segurança nestes dois trechos debaixo de chuva, mas sim a manopla com aquecimento. Lembro do caboclo da Motorrad Executive Rentals sendo categórico de que eu não precisaria deste item.

Mas o real desconforto que a chuva trouxe foi impedir apreciar com mais calma a paisagem em volta, ouso dizer uma das estradas mais bonitas em que pilotei. Em vários pontos foi impossível parar para tirar mais fotos e se for para alguma vez reclamar de chuva na estrada, essa seria uma.

Um dos viadutos sobre as encostas do Parque Tsitsikamma

Um dos viadutos sobre as encostas do Parque Tsitsikamma

Reza a lenda que o povo faz bungee jumping nesse penhasco.

Reza a lenda que o povo faz bungee jumping nesse penhasco.

Aproveitando os poucos trechos em que a chuva deu trégua

Aproveitando os poucos trechos em que a chuva deu trégua

A grama do vizinho não é tão verde assim.

A grama do vizinho não é tão verde assim.

No pé da última serra.

No pé da última serra.

E o tempo ruim foi nos acompanhando até subir e atravessar a ultima serra para finalmente encontrar o poderoso céu azul nos últimos 50 km até Cape Town. Provavelmente não teria o mesmo sentimento de “chegar num lugar fantástico” não fosse a chuva nos últimos dois dias. Até porque bastou 15 min para ficar completamente seco.

Tchau chuva!

Tchau chuva!

Talvez isso explique porque vale a pena viajar de moto debaixo de chuva.

Talvez isso explique porque vale a pena viajar de moto debaixo de chuva.

A famigerada Table Mountain

A famigerada Table Mountain

Mandei uma mensagem para o Chico, o amigo de Belo Horizonte que resolveu passar um meio ano sabático em Cape Town. Ele acabou angariando uma vaga no hostel onde está trabalhando, o Atlantic Point Backpackers, e assim cancelei a reserva que havia feito em outro hostel.

Fantini, dessa vez você teve sorte. Nada. Até agora, toda a sorte de acontecimentos foram dominados e transformados em oportunidades.

Encontrando com o Chico

Encontrando com o Chico

Bom e Cape Town? Cape Town vale toda e qualquer artimanha que você crie para vir aqui visitar, seja meio ano sabático, seja aproveitar que já está por estas bandas. Recomendo.

Vistas do Water Front

Vistas do Water Front

Passeando pelo Water Front

Passeando pelo Water Front

A proposta de renovação do antigo porto foi muito interessante

A proposta de renovação do antigo porto foi muito interessante

Prédio do antigo posto de administração do porto

Prédio do antigo posto de administração do porto

Torre do relógio do porto

Torre do relógio do porto

Table Mountain com seu forro de nuvens

Table Mountain com seu forro de nuvens

Capitão Michael Jakson

Capitão Michael Jakson

Da série somente em Cape Town

Da série somente em Cape Town

Para fechar o dia

Para fechar o dia

IMG_1234

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.

Anúncios

27/12/14 The voortrekker 03

Havia chovido bem na noite anterior e o tempo amanheceu nublado no dia 27/12. O trecho de hoje entre Durban e Port Elizabeth seria o mais comprido, com praticamente 900 km e um clima mais ameno era bem-vindo. Novamente acordo 04:00 da matina e antes das 05:00 já estava na estrada N2 rumo ao meu destino.

Partindo pela manhã

Partindo pela manhã

Para minha ingrata surpresa começou a garoa fina, dai a pouco a chuva e finalmente chuva forte. Ao longo da viagem toda ficou variando entre nublado, chuva fina e chuva forte. O incauto já deve estar pensando aí o saco de parar toda hora para colocar e tirar a capa de chuva. E aí que lhe pergunto: “Que diabos de capa de chuva?!? Tipo a que está guardada lá em Vitória?”

Tempo nublado

Tempo nublado

De vez em quando a chuva dava uma trégua

De vez em quando a chuva dava uma trégua

E assim em cada parada para abastecer e comer alguma coisa, eu era a atração geral, com a menina da faxina secando o chão por onde eu caminhava. Quase ofereceram uma placa de “cuidado, piso escorregadio” para eu levar comigo.

E quando eu ia praguejando o frio úmido, na subida de uma serra desce aquela neblina fechada. Não sei se foi mais difícil adivinhar o que havia a frente ou segurar a tremedeira para não desequilibrar a moto. E para você que ao passar por isso, estaciona a moto, desiste e clama pelos deuses porque amarga sina, continuei um pouco mais somente para encontrar a visão do paraíso.

Paisagem insólita

Paisagem insólita

Sim, bem aqui no meio da África do Sul tinha aquilo que qualquer mineiro mais se alegra, um’paisage assim iguazin mina’geraes, sô. Iguazin dimai’da’conta. Trem’bão’dimais, ten’basi’naun!

Uai, sô, só’faltô us’cumpadi, u’forn’di’lenha i daquel’amarguinha. Ai’ia’cê assim, bão’dimai’da’conta.

África Gerais

África Gerais

Minas do Sul

Minas do Sul

A partir daí, recarregada a energia com aquela insólita paisagem, que se dane o trânsito caótico em três cidades de beira de estrada (igualzin Manhuaçu, Uai) e a chuva que nos acompanhou até pouco antes de chegar a Port Elizabeth por volta de 17:30. Pensei naquele banho quente e encontrar um boteco bacana.

Na boca de Port Elizabeth

Na boca de Port Elizabeth

Primeiro hotel que o GPS indicou não existia. O segundo lotado. Assim o terceiro, o quarto, o quinto, o quinto dos infernos, todos lotados. Tentei os hostels e nada. Que diabo de lugar é esse?!? Parece que a reforma da beira da praia deu um glamour e virou a febre do momento.

Nisso já era quase 19:00 e eu lá sem um pouso. Resolvi procurar nos hotéis mais distantes e lá fui seguindo o GPS que me entregou numa boca de fumo do capeta. Tenso. Procurei outros hostels nesse pedaço mais afastado e nada, nisso volta a chuva.

Confesso que fiquei preocupado e depois de mais algumas tentativas em vão, achei um motel tosco, chamado Hunter’s Retreat, numa estrada vicinal, não fazia a mínima idéia de onde estava e foi lá que fiquei já por volta de 21:00 todo encharcado.

Para minha alegria não tinha chuveiro, somente uma banheira tosca. Enchi ela de água quente e mergulhei no banho turco. A roupa não teve jeito, muito encharcada, torci do jeito que deu já sabendo que não secaria (ao menos tinha outra muda de calça jeans e camisa).

É meu amigo, vá jogar banco imobiliário no conforto de casa, viajar de moto é mais tenso que cair no Jardim Europa com 04 hotéis. Pensando bem, ao menos no banco imobiliário teria hotéis.

De Durban a Port Elizabeth

De Durban a Port Elizabeth

Continue seguindo a saga The Groot Trek aqui.