Prudens quid pluma niger secundum

Nota

22/09/12 quando o vento não vem

Antes de iniciar a leitura carregue: show me how to live

Esse fim de semana, como fazemos religiosamente toda terceira sexta de todo santo mês dos últimos doze anos, o povo do clã se encontrou no Bar do Repa na República Federativa do Estado Independente do Marajó. Nossa liturgia mensal carrega muita história de uma amizade que ultrapassou qualquer explicação lógica para aqueles que não tem amigos de verdade.

bar do repa

bar do repa

Morando em Vitória ES nos últimos 12 meses e até um pouco distante da RFEIM, o que me obriga a chegar bem mais tarde do que gostaria devido aos contantes atrasos da malha aérea (rsrs, sim eu também uso avião de vez em quando), lá estava eu com aqueles que a ferro e fogo conquistei e vice e versa. Bem sabe o McGuila.
O companheiro Garga me chega a plena 01:00 da matina para avisar: “meu pessoal do Rasta vai batizar novos integrantes, você tem que estar presente, já falei com o Nuanda também”. Uai, uma grande honra, afinal o pessoal do Rasta Brasil MC tem nosso maior respeito por sua história verdadeira de clube e irmandade.
– Quando? Que eu me programo para vir com dona stefânia.
– Amanhã. 08:00 a gente encontra na boca do anel ali no viaduto São Francisco.
– Cai alho!!!
Não se pode negar um convite de um irmão, ainda mais quando é o Garga, afinal ele é uma grande pessoa. Grande mesmo e não vale a pena contrariar.
Uma dose e meia de café preto depois lá estava eu no sábado pela manhã seguindo o Garga e o Jamaica em direção a Ipoema MG. No caminho os demais integrantes do Rasta se juntaram a nós. Peraí, Fantini, você veio de avião. Então traiu o movimento motoqueiro e trouxe dona stefânia de carreto? Claro que não! Fui de carro alugado mesmo.

o carro alugado, um estranho no ninho

o carro alugado, um estranho no ninho

Para quem não conhece (como eu também só tinha ouvido falar), Ipoema MG é um distrito de Itabira MG na beira (por assim dizer) da BR381. Cara, que lugar lindo. Serra e mais serra e mais serra. O distrito em si é bem simples, mas quem está interessado nisso quando se tem um pedaço tão representativo do que é Minas e seus mares de morro e suas cachoeiras para passear?

o mar de morros sem fim

o mar de morros sem fim

coisa comum para os lados de cá

coisa comum para os lados de cá

esse trem desse tamanho já não é tão comum, mas é bão também

esse trem desse tamanho já não é tão comum, mas é bão também

E nesse mar de morros nos infurnamos numa estrada de terra sem fim e sem… Peraí, Fantini, moto na terra, tô com nojinho. Problema seu.

você também devia experimentar

você também devia experimentar

Porque nesse infindável mar de poeira paramos numa ponto qualquer para que a cerimônia de batismo ocorresse. Sem bandas, sem brindes, sem alvoroço. Uma cerimônia verdadeira de uma irmandade verdadeira.
um ponto qualquer, mas não qualquer ponto

um ponto qualquer, mas não qualquer ponto

Como representante da outra irmandade verdadeira, nosso querido clã, tive que manter a compostura. Por fora não havia vento ao meu redor, mas por dentro um turbilhão de emoções em função daquele singelo ritual me faziam lembrar de todos que eu tenho na mais alta estima e consideração.

quando o vento não vem

quando o vento não vem

Um muito obrigado aos nossos irmãos do Rasta Brasil MC por nos lembrar do que realmente importa.

Anúncios